Olívia Manfrotto

Pois é… Mais um gato…

Há umas semanas, vi na página da Spad, associação que se esforça para cuidar de cães e gatos em Divinópolis, um caso que me deixou muito mal. Entre gatinhos queimados de propósito por seres inomináveis e um lindinho que perdeu a pata para a bicheira, havia uma gatinha numa caixinha. Ela havia sido jogada, por um suposto usuário de drogas, na linha do trem. Teve a perna dilacerada. Para piorar a situação, foi constatado que ela estava amamentando.

A gatinha foi acolhida pela Jaqueline, que deu lar temporário e cuidou da recuperação dela. Os filhotes não foram encontrados e ela teve que superar essa perda e uma infecção, antes de enfrentar uma amputação.

Quando eu vi essa coisinha suja na caixinha, eu quis dar amor a ela. Tanta tristeza, tantos casos de gatos torturados, tanta crueldade e foi ela quem mais me tocou. Pedi para uma amiga que mora em Divinópolis para testá-la para FeLV/FIV e, se desse negativo, eu a queria para mim.

olivia-antes

Sábado, lá fomos nós até Divinópolis para buscá-la.

Para minha surpresa, ela é um redpoint, linda linda, miudinha, quase uma filhotinha, com os olhos mais azuis deste mundo. E, apesar do sofrimento que causaram a ela, é uma doçura. Supercarinhosa, adora humanos e não deu muito papo pros meus gatos loucos. Se saiu bem entre eles, curiosa, mas tranquila.

olivia olivia2 olivia3

O tal do membro fantasma a incomoda, ainda. De vez em quando, ela grita e tenta pegar a perna que não está mais ali. Não gosta que encostem no espaço que a perna deveria estar, não gosta de colo, não gosta de ser pega. Mas gosta de conforto e carinho, como qualquer gato normal.

olivia5 olivia6 olivia7

Ainda temos que levá-la ao veterinário para avaliar a saúde dela, ver quando poderemos castrar – ela não foi castrada por causa de toda a situação – e, assim que possível, daremos um bom banho.

Minha gatinha tripé, Olívia Manfrotto, chegou trazendo amor e alegria à casa, no Dia de São Francisco de Assis. Quero retribuir, pelo menos, em dobro. <3

Anal-ogia

Final do mês passado, cá estava eu, em meio a um mimimi sem fim. Mas como tudo que está ruim pode piorar, veio o meu mais recente mimimi com meu quase AVC. Daí, quando você acha que já chegou ao fundo do poço, quando você já sente a lama encostar no seu traseiro, vem mais uma bomba e descobre-se que o poço, de fato, não tem fim.

Contarei o ocorrido, usando uma analogia, para evitarmos mais um processo.

O cara canta a moça, paquera, conquista. Eles começam a namorar, firmam compromisso. As famílias se conhecem. Ele a pede em casamento, ela – mais por necessidade do que por amor – aceita. Começa a cuidar dos preparativos: vestido, festa, etc. A mãe do noivo exige tudo do bom e do melhor, muito além das posses da noiva. Ela, relutantemente, aceita mais uma vez.

Na véspera do casamento, ele pede: “quero anal”. Ela diz: “mas isso não faz parte do combinado. Não!” Ele responde: “se não fizer anal, eu não caso”. Ela não casa e fica com as dívidas contraídas.

Por “anal”, lê-se “trabalhar muito, rápido, bem e de graça”. Porque é bem assim na minha honrada profissão. Toda vez que alguém quer abusar de você, quer te f*der, usa dos seguintes argumentos, sempre nessa ordem: “se você não quer, há que, queira” ou “se você não quer, eu não te quero”, seguido de: “isso é falta de ética sua” e de: “falta profissionalismo a você”. Ou seja, uma agência agir sem ética e sem profissionalismo, para o leigo, é exatamente o contrário do que manda o código de ética da minha profissão: não trabalhe de graça nem por valor irrisório, pois isso ferra com o mercado!

Eu faço trabalho pro bono, ou seja, de graça, para quem EU escolho fazer, dentro das minhas possibilidades, desde que minhas possibilidades atendam ao cliente. Minhas clientes pro bono estão satisfeitas e felizes com meu trabalho. E eu vejo um retorno que me dá um prazer enorme! Ter um post compartilhado por mais de mil pessoas em uma hora e elogiado paga meu esforço, mas só porque é uma associação que faz um trabalho incrível e que eu acredito muito. A excelente aceitação mostra que, ao contrário do que alguns mal pagantes gostam de divulgar, eu sei o que estou fazendo e faço bem.

Sou profissional o suficiente para já ter feito trabalhos para empresas das quais eu não gosto nem acredito, porque fui contratada – e ainda e nem tão cedo estarei em posição de escolher demais. Um dó de mim – e ética o suficiente para fazer bem feito e sem usar de mentiras, falácias e subterfúgios.

Fica a dica para quem quer contratar ilustrador, designer, agência de publicidade ou qualquer outro profissional repleto de ética:

graficoEsse gráfico serve pra muita profissão!

Para contratar “sobrinho” ou micreiro, pode chorar preço e pagar só se gostar. Eles não têm ética nem são profissionais e dificilmente farão alguma coisa boa – sem plagiar.

Se quer um serviço bem feito, comece sabendo que comunicação é uma parceria entre cliente e profissional. É um trabalho de colaboração e se você quer levar vantagem ou se impor de alguma forma, pare agora mesmo! Não vai dar certo.

E antes de sair resmungando, caluniando e difamando por aí, lembre-se que isso dá processo e que respeito é uma via de mão dupla. Dê-se…

especialista e-se artista

Meu mini (quase) AVC

Li na Superinteressante que é cientificamente comprovado que expressar raiva aumenta a raiva. Que socar um saco e areia, gritar, xingar, etc., só pioram a situação. O melhor é contar até 10 (mil?) e deixar pra lá. Resolvi tentar.

Sexta, depois de receber um e-mail que me aborreceu ao extremo, pela desdém e absurda falta de respeito travestidos em gentileza, achei que era o momento ideal para testar a teoria.

Pois é… Cientistas deveria rever seus conceitos antes de sair por aí divulgando pesquisas, porque pode ser perigoso. Cada um é cada um e eu me conheço há 40 anos. Sei de mim. O teste não deu certo, claro. Além de me sentir mal fisicamente, eu tive pesadelos por dois dias até começar a xingar e deixar sair toda a raiva. Desopilar o fígado, como dizem. Aí, eu comecei a melhorar da nuca tensa, da dor de cabeça intensa, do formigamento no rosto e do desequilíbrio. Veias haviam se rompido numa das minhas mãos.

Desculpa, mundo, mas vou continuar jogando meus demônios para cima de você. Você os cria, eu os aliemento e os emancipo. Eles não vão habitar em mim.

E, pessoas, revejam seus conceitos. Cada vez mais entendo quem se descontrola e sai quebrando tudo. Há motivos. Pare de dá-los aos outros, por favor. Gentileza – a de verdade – gera gentileza. E abusos geram ódio. Ódio gera destruição. E pra quê?

Gastando dinheiro – ou investindo em cultura?

Adoro o Catarse. A plataforma de financiamento coletivo parece uma grande bolsa de apostas + liquidação. São, no máximo, 60 dias de prazo para fazer acontecer. A gente tem a oportunidade de fazer parte da História do projeto e, assim, torce, divulga e ainda paga um preço bem legal pelo produto + recompensas.

Eu sou apoiadora compulsiva de quadrinhos. Minha lista tem 14 apoios na área e todos concretizados. Uma ou duas decepções – livros que prometeram, mas não cumpriram -, mas, de modo geral, tenho estado satisfeita.

Estão em fase de apoio e recomendo:

Dois livrinhos: dois livros: Blue, uma coletânea de quadrinhos tragicômicos, e Dúvidas Cruéis de um Idiota, um livrinho recheado de dúvidas sobre o mundo. Muito divertidos, assim como o vídeo de apresentação do projeto, que foi quem me ganhou! Mas corra, porque está chegando ao fim!

Beladona: versão impressa de uma das minhas webseries favoritas.

Nada com coisa alguma: coletânea de tira do quadrinista José Aguiar.

O Homem da Capa Amarela: é sobre um justiceiro contra políticos corruptos. Parece bem legal. Na dúvida, clique aqui e baixe o primeiro capítulo.

Remendos: coletânea de tirinhas do site Sushi de Kriptonita. Ótimo site!

Quad 2: 4 histórias de 4 cartunistas.

Inconcebível: desculpe, Valter, mas seu vídeo dá sono, depõe contra. Mas… Fiquei curiosa com a história e terá meu apoio.

O Catarse tem muitas outras áreas de interesse, caso não curta quadrinhos. Tenho certeza que algum projeto merecerá seu apoio.

P.S.: para quem gosta de bichos, um projeto bem bacana no Catarse: Animal de Estimação Não é Brinquedo Não. É um livro voltado ao público infantil que ensina sobre o respeito aos animais.

Eleições

O Di Vasca perguntou, dia desses, se você (ou eu, qualquer um) acha que quem votar em algum candidato que não seja o seu é burro. Não sei responder com “sim” ou “não”, como ele exigiu, porque depende.

Depende… Se você vota no PT… Se você acredita nos dados da ONU sobre o Brasil… Se você “avalia” os números sem avaliar o que está por trás dos números… Se você realmente acredita no “eu não sabia de nada” que tem rolado a cada denúncia de corrupção… Se você tende à falácia, ao sofisma e à esquerda lulopetista… Sim, você é um abobalhado, na minha humilde opinião. Não uso a palavra “burro”, porque são animais que merecem respeito.

E minha humilde opinião casa com a desse senhor:

Gente estúpida. Gente hipócrita.

Em julho, um agente da zoonoses veio a minha casa. Houve denúncia anônima de que, por eu ter gatos, galinhas e cães, havia infestação de ratos na casa do vizinho. Não tem na minha. Se ele tem ratos em casa, bem…, ele deveria tentar criar gatos, cães ou galinhas.

O agente não encontrou nenhum problema e lá se foi.

Vizinho quietou? Não. Chamou o pessoal da dengue. A denúncia, agora, era de foco de mosquito, aqui. Veio a mulherzinha da dengue e implicou com as vasilhas d’água. Tem pra tudo que é canto. Tem para gatos, gatos de rua, cães, sapos, micos e galinhas. Troco água de todas duas vezes ao dia – não desperdiço água, jogo para as árvores. Dengue instantânea ainda não ouvi falar. E quer saber de algo estranho? Achei que ela implicaria com o vaso de orquídea e com as bromélias – como todo povo da dengue implica – que estavam, sim, cheias d’água, mas, não. Nem tchum. Veio com o propósito claro de achar defeito nas coisas dos bichos.

As denúncias acontecem regularmente desde 2013. Sujeira? Tem folha seca. Estamos no fim de um inverno ultra seco. Tenho árvores. Folhas caem. Flores, também. O chão está cheio de flor de ipê. Cocô de galinha? Vira adubo para a compostagem e horta, assim como as frutas que caem. E cocô de cachorro? Tem, mesmo. Eles defecam. Numa caixa cheia de areia, que o jardineiro limpa, quando vem. Fica sequinho, ainda mais com esse tempo, não dá mosquito e não fede na casa de ninguém.

10534269_761647363894737_1884098229776039708_n

Ipê do marido

Tem uns cocos e folhas de coqueiro que caíram na última ventania. A gente ia pedir uma caçamba para eu recolher tudo isso, mas, depois de mais uma denúncia, achei melhor, não. Caçamba custa R$ 120,00. Colocar folha seca num tambor e colocar fogo, como os vizinhos fazem, é de grátis! E incomoda!!

Não tem mato. Nem sequer grama. As galinhas não permitem.

Fico pensando… Se a sujeira propriamente dita não existe - a não ser quando um dos vizinhos produz e joga aqui -, será o quê que incomoda tanto?

nojoCanal de águas pluviais que meu adorável vizinho (#SQN) usou para escoar o esgoto dele, que estourou. Escoou cal e areia da construção, também, para o meu quintal. Um darling.

Barulho? A Nikita é meio pinscher e late um bocado. Incomoda? Sim. Mais do que os netos da vizinha berrando o dia inteiro? Não, mesmo! Mais do que os cães dos outros vizinhos? Não. Menos. O Toro é quase mudo.

Galinhas? Elas são um saco e fazem bastante barulho durante o dia. Mas o SAAE, que tem mexido na rua, faz mais. Os jardineiros da praça e do vizinho biliardário, também. O vizinho babacão que liga e desliga o alarme o dia todo é bem pior do que quaisquer galinhas. Aliás, esse faz festa todo final de semana e não se importa com decibéis ou respeito. Os netos da outra? Gritam e/ou choram bagarai. O cão da casa do lado? Late histericamente! E ainda tem os caras que andam de skate na praça e a turma que ensaia batucada toda quarta-feira até as 22h. A festa que está rolando na cidade incomodou mais de 100 pessoas que ligaram para a polícia antes das 2h da manhã de hoje. Barulho é o que não falta.

Os gatos invadem as casas da vizinhança? Não, apesar das insinuações. A Panks subia no telhado da vizinha, mas demos um jeito nisso. Ninguém mais tem subido. Mas há outros gatos por aqui. Tem o Cy velho de guerra; tem uma escaminha linda que encontrei dormindo na folhas secas e que não quis ser minha amiga; o irmão louro dela, que também me esnobou. Tem o Panqueco, um gatão peludo, que andou frequentando a casa. E mais um punhado de outros. São meus? Não. Sou responsável por eles? Também, não. “Infelizmente” para as duas perguntas/respostas.

Realmente não entendo. O quintal da casa é tão agradável, que recebo visitas das mais variadas. Sapos vêm se abrigar aqui. Gatos dormem e comem na minha área de serviço. Maritaquinhas, corujas, gaviões e um bom punhado de outras aves passam por aqui todos os dias, mesmo tendo um parque florestal logo em frente. Os micos dividem conosco frutas e ovos. É um lugar acolhedor. Seria mais se não tivesse tanta gente estúpida e hipócrita ao redor.

fcc430a62e9a3b24fc9c104c8140af20E eu fico com a pureza da resposta do Seu Micks:b257974402e427aa0cc4a033b9c75fc2

Quero voltar pra casa

Em setembro, faz 8 anos que saí de Belo Horizonte.

Na época, a cidade estava caótica. O trânsito não fluía, os ônibus viviam lotados em qualquer hora do dia, a violência e a sujeira aumentavam. Se não bastasse, eu detestava meu emprego e meu namorado - atual marido – estava com Síndrome do Pânico, o que piorava tudo. Quando ele decidiu que vir para Itaúna seria o melhor para ele e quis que eu viesse junto, topei sem nem pensar.

Eu deveria ter pensado. Ter mais de 30 e ainda viver na casa dos pais – no meu caso, da avó – não é legal. É cômodo, é barato, é prático, é gostoso, mas não é “adulto”. E a tentativa de me tornar adulta, na verdade, foi o que mais me encantou. E me ferrou.

Não porque eu não goste de Itaúna – e realmente não gosto, por N motivos. Não gostar da cidade em que se mora não ferra ninguém. Mas os N motivos ferram e, faz tempo, eu me arrependo amargamente de ter vindo parar aqui. E piora: eu, simplesmente, não consigo sair daqui, nem a passeio.

Ter 8 gatos e não ter plena segurança para eles, me prende à casa. Não tenho mais alguém de confiança para olhá-los se eu tiver que me ausentar. Então, não me ausento. E não dá para carregá-los debaixo do braço nas inúmeras horas que me bate a vontade de bater em retirada. Não tenho para onde levar nem sequer os 4 que são exclusivamente meus. Não tenho grana nem pro caminhão de mudança.

É fato, a cidade me empobreceu. Em termos de dinheiro, nunca vi tanta desvalorização do meu trabalho e tanto calote, tanta má vontade em pagar. As pessoas ficam furiosas por receber notas fiscais – o que, diga-se de passagem, a Lei exige quando se presta um serviço – como se elas representassem um dedo na cara acusando uma dívida. Teve um cara de pau que nos respondeu com: “quer receber? Arrume um advogado. Só se lembre que EU sou advogado e, pra mim, sai de graça”. E essa criatura tem a pachorra de me cumprimentar e querer dar 3 beijinhos toda vez que a gente se encontra nessa cidade minúscula. A cara não queima. As caras não queimam.

Hoje, eu tenho MUITO menos dinheiro do que eu tinha há 8 anos, trabalhando numa loja e odiando cada segundo. Hoje, eu odeio mais meu trabalho do que quando trabalhava sábados e feriados atendendo pessoas que queriam meu projeto, mas não queriam os “nossos” móveis. E olha que a agência emenda feriados e até permite cerveja nas sextas, durante o almoço da “firma”. E não está melhor. Os sapos da loja – e olha que uma cliente chegou bêbada, certa vez, e me unhou, porque eu não teria lhe dado atenção – eram pequetitinhos perto dos cururus diários. A internet me contou que isso é mal da profissão, mas, aqui, estou engessada nela. Não posso reagir, não posso sair da “firma”, porque a “firma” é minha…

O custo de vida é alto. Supermercado e varejão são “pela hora da morte”. Ração e areia de gato, tenho que importar de outras cidades. Frete bem mais caro e sem Sedex 10, por ser interior. Qualidade de vida, que todo mundo falava, não tem. A cidade é feia e suja, a água é suja, a barulheira é generalizada, não tem prefeito de verdade há anos, não tem polícia, mas tem bandido à beça. Não tem pra onde ir ou o que fazer. As pessoas se suicidam aqui com muita frequência. E tem gente tão fútil e à toa que, diante disso tudo,  fica reparando as unhas dos outros – e eu não faço unhas, mais!

Queria estar em BH. Queria ter passado meus dois últimos aniversários no colo da minha avó, em vez de sozinha. Queria ter ido no Pai de Santo que planejo desde março. Queria ter me despedido da minha babá, que morreu sem saber o quanto eu a amava. Queria ter abraçado o meu pai quando meu irmão-cão teve que ser sacrificado. Queria conviver com meu meio-irmão. Queria ir às festas de família. Queria ter ido ao Espaço Veg e almoçado no Las Vegans antes de fecharem – o Las Vegans jura que reabre. Queria estar no teatro, agora mesmo.

Quero ter quem me ama e me tolera por perto. Quero minhas amigas! Eu nem tenho mais amigas…

Ovos da polêmica

Dia desses eu disse que dissertaria sobre ovos e a polêmica vegana. Chegou a hora!!

Sim, eu sei que muitos - se é que há muitos – dos que vêm aqui não estão nem aí para veganismo, mas, ó, é o que tem pra hoje.

Estava eu trocando e-mails com uma vegana muito simpática - coisa cada vez mais rara de se encontrar -, quando surgiu o assunto “ovos”. Veganos são radicalmente contra o consumo dos ovos, seja como for. O principal argumento é que os ovos pertencem às galinhas, assim como o leite às mães – seja de qual espécie for – e a seus bebês. Ademais, criar galinhas com algum propósito é especismo e escravidão. Eu discordo.

Ganhei dois casais de penosas há uns 6 anos com o objetivo de ter ovos em casa. Elas ficavam presas num galinheiro e eram estressadas. Meu quintal tem cerca de 500m² e estava se enchendo de mato. Pensei: galinhas soltas são felizes e comem mato. Desde então, elas estão soltas, ciscando pela casa. Até dentro de casa, quando querem.

Depois de uns meses, uma conhecida, que tem lúpus e havia desenvolvido alergia às penosas dela, me doou quase todas, porque sabia que eu não as mataria. Vieram pavões, peruas, d’angolas, sedosas japonesas e muitas garnisés. Com o tempo, tive que doar pavões, peruas e d`angolas por causa do barulho que faziam. Não só por causa dos vizinhos reclamões, mas porque são aves que voam e precisam de mais espaço do que eu tenho. Doei com promessas de nunca serem mortas e estão quase todas bem. As d’angolas encontraram predadores pelo caminho… :-(

Minhas galinhas são mais livres do que meus gatos e cães. Elas andam por toda a casa, comem e defecam por todo lado. O limite é o muro da casa e, mesmo assim, se elas quiserem sair, conseguem, porque as asas não são cortadas. Não saem porque gostam do que têm aqui. E o limite que recentemente impus a elas é uma terrinha que telamos, para poder plantar.

Não fiz ninhos, elas botam onde querem. Já fui surpreendida por um punhado de pintinhos brotando da casinha do cachorro. Elas têm poleiros, mas preferem dormir nas árvores. Chocam quando querem, criam como querem e quando não querem eu assumo as crias. Pelos menos 1/3 delas foi criado por mim. Já ameacei não deixar mais elas chocarem, por causa dos abandonos, mas elas driblam proibições. Qualquer proibição.

Elas capinam porque é da natureza delas revirar a terra em busca de comida. Elas comem de tudo e o tempo todo, inclusive ovos! Minha avó diria para queimar o bico delas, mas eu não faria isso. Não preciso de muitos ovos e não me importo em compartilhar. Elas só não comem ração, porque não precisam de incentivo para botar – e porque não confio em rações.- E elas botam porque faz parte do ciclo de vida delas e seguem o ritmo delas.

Acho que é uma troca justa: eu dou comida, espaço, casa, proteção e carinho e elas me dão ovos. Por isso, não vejo mal em usar o propósito da galinha a meu favor, porque não a desfavorece em nada. Na natureza, isso é chamado de simbiose.

Se eu fosse ter galinhas sem nenhum propósito, eu não as teria. São bichinhos bagunceiros, brigões e extremamente barulhentos, cuja manutenção me custa um bom dinheiro. Não são “doninhas” simpáticas e autossuficientes. Se não fosse por mim, das cerca de 50 que moram aqui, somente uma delas teria nascido e, mesmo assim, já estaria morta, já que tem uma doença genética que faz com que seu bico cresça infinitamente e precisa ser alimentada em separado.

Há as teorias que dizem que vacas, porcos, galinhas, carneiros, bodes, burricos e qualquer outro animal que tenha um “propósito” na vida humana estariam extintos num mundo vegano/abolicionista. Humanos começaram a criar cavalos para transporte e tração. Cães para segurança, companhia e ajuda na caça. Gatos, porque caçam ratos. Mesmo hoje, há um propósito na criação de animais, mesmo que seja tirar fotos deles para o Instagram. Em troca, bons humanos dão amor, comida, cuidados, segurança. Sem troca, não há animais de estimação e vai ter que haver muito vegano e muito santuário para evitar a extinção de um punhado de bichos domesticados que não se viram mais muito bem na natureza. Ou que, na falta de predador, podem se virar até bem demais e destruir geral.

Enfim, não vou enterrar os ovos ou distribui-los por aí ou deixar para as galinhas consumi-los integralmente, porque não vejo motivo. Assim como, apesar do cocô das galinhas também sair das cloacas delas, não vou deixar de usá-lo como fertilizante para minhas plantas. E se eu porventura viesse a ser mãe, doaria meu leite excedente a banco de leite, porque ele não precisaria ser somente do meu filho.

Há, neste mundo, inúmeros animais explorados, escravizados, maltratados, mutilados, assassinados, torturados e os meus – sim, meus, propriedades minhas, diante da Lei – não estão entre eles. Não como outros ovos além dos das minhas galinhas e minha consciência está tranquilona.

Não faço questão, como nunca fiz, de ser vegana. Acho complicado, engessante e frustrante – além de impossível – tentar fugir de tudo o que fere qualquer ser vivo neste mundo, neste tempo.

Sou bem-estarista, sim, porque sei que não se obriga a mudança de hábito só com palavras – agressivas – ou lógica incompleta e o despertar de consciência varia de caso a caso, de pessoa a pessoa. Se pessoas e animais de estimação vão continuar a consumir carne – meus gatos jamais serão vegetarianos -, leite e ovos, não importa o argumento, que seja em menor quantidade e de animais que tiveram a oportunidade de viver o melhor possível.

Os problemas do planeta não estão somente ligados ao que se come, mas como e quanto se come. A quanto e como se consome. A quanto lixo se produz e a destinação que se dá a ele. À quantidade de energia elétrica e água consumidas e desperdiçadas. Aos produtos cosméticos e de higiene que se usa e quais as consequências desse uso ao meio ambiente. E, também, à quantidade de amor e solidariedade que se tem pelo próximo. Minimizar tudo a poucos culpados é simplista e preguiçoso e é a cara da Marina Silva, além de dar a falsa ideia de que se está fazendo a coisa certa e toda a parte que lhe cabe neste latifúndio quando se torna um vegan extremista. Ao vegan extremista tem faltado empatia ao seu semelhante, o que causa mais conflito e rejeição do que traz soluções.

Mundo de merda

Eu começo a acreditar que nada mais tem solução quando:

• Percebo que há estadunidenses em situação de miséria, enquanto os EEUU bombardeia o país dos outros por grana e petróleo - fiquei assistinado ao Michael Moore no fim de semana;

• Pessoas ainda matam umas as outras por causa de religião;

• Nosso país está à beira da bancarrota e, mesmo assim, Dilma continua em primeiro nas pesquisas;

• Minha prima, que declarava amor a mim a cada dia, deixou de ser minha amiga porque ousei discordar dela – ela é petista;

• Pessoas torturam animais. Por quê?

• Fábio Coala, um dos caras mais talentosos e maravilhosos que eu conheço, está passando aperto de grana;

• Fausto Fanti e Robin Williams se matam…