Narcisa, eu?!

O noivo disse que eu sou biolar. Também disse que minha grosseria com os outros é tão comentada que atrapalha a empresa a crescer. Mentira. Não sou bipolar. Se sou grossa, é uma questão de percepção. Eu sou direta e não faço rodeios para dizer o que penso. Tenho pouca consideração pelos sentimentos mais profundos dos outros, mas não magoo ninguém “porque deu vontade”. Acontece, às vezes. Mas se a empresa não cresce no ritmo que ele espera, a culpa não é minha nem do meu mal comportamento. Principalmente, porque está longe do meu papel lidar com pessoas, seja clientes, seja funcionários. Evito, inclusive, lidar com fornecedores.

Sinceramente, acredito que as pessoas deveriam enfiar esta hipersensibilidade delas numa sacola para começarem a entender que não cabe floreios e delicadezas desnecessárias no dia-a-dia.

Aí, a Sra. Valéria veio com a explicação mais interessante para meu suposto comportamento patológico: “desculpa, mas você é narcisa…”

Lembrei de uma matéria na Veja, de tempos atrás, e resolvi testar o talento para diagnóstico da Valéria. 20 pontos em 40. Acredito que daria mais, mas fiquei constrangida de responder a verdade em algumas perguntas… Ou seja, parabéns, Valéria!! Eu sou mais narcisa que a Suzana Vieira!! E eu me achando tão discreta…

Enfim, caro leitor, se algum dia eu lhe responder mal, a culpa é da minha patologia, não, minha. Sou uma vítima do mundo moderno…

Vintage Polish

Minhas unhas estavam um desastre! Lasquei umas, comi a pele em volta de outras, os esmaltes supercoloridos mancharam os cantinhos… Hoje, estava desanimada em tentar consertar esta bagunça, mas, aí, o noivo apontou para um vidrinho verde e disse que era bonitinho. Lá fui eu passar o Vintage Polish, então… Não sou muito fã de verdinhos e azulzinhos. Deu um trampo passar: 3 camadas não são para mim… Mas, de longe, ficou até bonitinho… Mas já prevejo troca de esmalte no meio da semana…

Melissa + Gaetano Pesce

Sem palavras! Adorei isso!! Tive que postar:

Enfim, algo com cara de novidade!!!

E, na falta de palavras minhas, reproduzo as do blog Melissa:

“Um dos nomes mais importantes da arquitetura e do design internacionais, o italiano Gaetano Pesce, criou para a Melissa um modelo que já nasce hit, fazendo a história dos grandes colaboradores da marca. Totalmente customizável, a Melissa + Gaetano Pesce é, à primeira vista, uma irreverente ankle boot, formada por círculos vazados. De tesoura na mão, a criativa dona desta Melissa pode transformá-la no sapato que desejar: de rasteirinha a sandália!” Bobagem isso. Assim, qualquer coisa é “customizável”.

Necessito muito!! Pena ter que esperar até 2011…

A Vaca e o Pinto

Hoje, a Vaca ganhou banho e roupinha nova para enfrentar o frio do Cerqueira Lima. Coisa linda!!

E, ontem, o Pezinho quanhou outra chance e outro nome. Ele foi submetido a uma cirurgia para colocar a perna quebrada no lugar e, em homenagem ao veterinário sensacional que realizou a cirurgia, agora ele se chama Paulo.

P.S.: se eu tivesse uns 8 anos menos, eu seria apaixonada pelo PC, que trabalha na clínica. Eta menino fofo!!

Up date: o Paulo não resistiu e foi para a “fazenda dos pintinhos felizes”… Sentirei saudades…

E chega de esmalte!!

Eu me cansei de falar de esmalte…Há cores lindas, marcas ótimas, diversas opções, é assunto para mais de metro. Mas estou na TM – o que vem depois da TPM – e me canso das futidades nesse período de surto, dor e sofrimento…

Em compensação, aconteceu uma coisa bacana nesses últimos dias que eu quero compartilhar: eu tenho um amigo!! Há meses que eu tenho reclamado que eu queria um amigo gay. Não tenho certeza se eu queria um amigo gay para não rolar aquele probleminha de atração que, querendo ou não, acaba acontecendo quando você começa a ficar íntima de um cara que sabe mais sobre você que seu namorado. Ou se era porque gays são muito mais divertidos!!!

De qualquer forma, meu amigo não é gay, mas não corro risco de atração. Sim, ele é gatinho, mas não faz meu tipo e eu não faço o dele. Perigo nenhum!! E ele não é divertido do tipo “hahaha divertido”, mas é adorável, inteligente, louco e tão parecido comigo que, às vezes, parece que estou me lendo!! Isso, normalmente, é defeito, mas, no meu amigo, é pura qualidade!!

É tão bom encontrar alguém que me entenda sem eu ter que me explicar… Ah… Eu amo meu amigo, assim, como se ama amigos, como se ama irmãos… Estou feliz!!

Esmalte para macho!

Meu sogro tem uma mania estranha: vez ou outra ele pinta uma unha do dedão do pé. Ele zoou, uma vez, dizendo que era para o médico não errar a perna da cirurgia e marcou o lado certo com esmalte.

Seja como for, meu sogro está a frente do tempo dele. Homem usa esmalte, agora. Se não usa, pelo menos, pode.

No Flickr, tem um carinha americano que posta, regularmente, suas unhas dos pés, mais bonitas e bem feitas que as minhas jamais sonharam em ser… Mas a tendência vale para a mãos, também.

Esta onda de esmaltes matte, inclusive, parece que surgiu para angariar homens para o mundinho dos que cheiram acetona. Aqui no Brasil, os mattes custaram a chegar, mas a Risque lançou, há algum tempo, duas bases (fosca e semi-brilho – essa, quase igual “às nossas” – com embalagem diferente e escrito “HOMEM” para não constranger os moçoilos), com D Pantenol, que trata as unhas ao mesmo tempo em que as fortalece.

Na gringa, duas das marcas que tem produto para macho são a Essie, com o Man-e-cure, e a Orly, com o Nails for Males. Tudo basesinha fosca.

E foi então que a Man Glaze resolveu que homem tem direito a esmalte, sim, e lançou umas cores sensacionais, foscas, para os meninos emo ou rock’n’roll se jogarem!! Os tons não variam muito: preto e cinza grafite. Seu criador, o inglês Marc Alexander Paez, lançou o seu esmalte num festival de hardcore e garante que não se trata de uma tendência: “está mais para uma conspiração”. Segundo ele, a marca, que começou em 2006, foi pioneira e é um sucesso! Não sei quanto aos meninos, mas as meninas aderiram geral!!

Mas eu te digo, há, pelo menos, duas marcas gringas que fazem esmaltes coloridos para os meninos: a BB Couture e a Uslu.

E digo mais, segundo o blog Bleu Cerise, os esmaltes matte tiveram um breve momento de, digamos, brilho em 1992. Eu não fiquei sabendo, mas diz que é… Ou seja, não é nenhuma novidade e, sim, só mais uma “releitura” de moda. Hmmm…

Eu não sou fã dos matte, nunca usei, não me impressionam. Mas gosto do acabamento – pelo menos, gostei das fotos – do Man Glaze. Ele é fosco, mas tem um brilhozinho metálico que me agrada. Fico curiosa, mas não vou investir…

No Brasil, bem antes da Risqué, Colorama e Impala terem coragem de investir em matte, a Big Universo correu na frente e lançou um matte coat, para você, mocinha antenada!!, poder transformar qualquer esmalte em fosco.

Sem saco…

Hoje estou cansada e sem saco para postar… Ainda não finalizei o post de hoje, sobre esmaltes para machos!! Posto amanhã, junto com o post sobre alternativos. Vocês me perdoam?!

Mas para não dizerem que não falei em esmaltes, clica aqui e vejam o que a Camis tem a dizer sobre esmaltes adesivos…

Té mais vê…

Cresça!!

Hoje me disseram para crescer, que sou mal educada porque não tenho mãe. Essa mesma pessoa disse que vai me processar por assédio moral, porque, supõe que eu a chamei de gorda. Ela era velha, mas do que a idade diz, mas não reparei se era gorda. Essa é uma das coisas que eu não entendo: é assédio moral chamar um gordo de gordo ou chamar um não-gordo de gordo?!

Eu, por minha vez, não sou muito bem educada mesmo. Minha avó não fez um bom trabalho e eu só aprendo o que eu quero. Entrei no Pilates, hoje, na esperança, não de crescer, mas de recuperar meus 3cm perdidos ao longo da corcunda. E tenho mãe. Ausente, mas tenho. Não nasci de chocadeira. Agora, sinceramente, quem leva a mãe ao trabalho para confirmar que não está mentindo?! Eu preferiria não ter mãe a ser filhinha de mamãe ao 20 e tantos…

Mas, enfim, Pilates é jóia, a ‘fessora é jóia e nem doeu!! Recomendo!! E torço para eu não desistir.

Esmaltes importados

Há esmaltes importados em pencas, por isso, escolhi somente alguns, os que mais leio comentarem, para este post.

Eles tem seu charme. Primeiro, porque há cores e acabamentos dos mais variados. Muitos, inéditos no Brasil. Depois, porque os pincéis costumam ser bem mais inteligentes. A secagem costuma ser rápida, o que é ótimo para uma desastrada, como eu.

O.P.I.: nunca vi nem usei, eu só ouço falar (bem). A marca tem uma quantidade absurda de cores. Qualquer coisa que acontece no mundo serve de inspiração para mais uma coleção. Vai sair filme do Shrek?! Coleção inspirada nos personagens. Alice? Coleção. Verão? Também. Natal? Sim! Christina Aguilera vai estrear filme em dezembro? Já tem coleção inspirada… Eu poderia ficar citando o dia todo, mas tenho mais o que fazer…

A O.P.I. costuma lançar, também, kits com miniaturas para poder experimentar as cores de forma baratinha. O preço de um kit com 4 esmaltinhos é o mesmo de um esmalte de tamanho normal. O problema das miniaturas é o pincel: muito pequeno.

Essense: “a sua resposta em beleza e cuidados: atual, divertida e única – mas nunca muito cara!” Descobri no blog da Ana e da Marcela. Entrei no site da marca – alemã – e fiquei transtornada. O preço é bom, as opções são muitas, principalmente para nail art – que eu detesto, mas há quem goste!!

Outra que tem canetinha! Adoro a ideia!!

Essie: outro queridinho de todo mundo. Outro que nunca experimentei. É uma marca americana de esmaltes hipoalergênicos, ou seja, sem tolueno e sem formaldeído.

China Glaze: mais um esmalte sem tolueno e sem formaldeído! Uma coisa interessante é que esses esmaltes têm 14 mL, ou seja, quase o dobro dos concorrentes. Diz-se que seca em 30 segundo!!

Zoya: acho esse nome um barato! E a proposta da marca, também: 1986, a americana Zoya Reysis e seu marido Michael começaram a desenvolver uma linha de esmaltes com o mínimo possível de química. Os esmaltes Zoya não livres de tolueno, formaldeído, DBP (ftalatos) e cânfora. São mais de 300 opções de cores e traz 4 coleções sazonais todo ano!!

E, por fim, os meus importados:

Sally Hansen: quando o noivo – até então, amásio – foi para NY, no começo deste ano, fiz minha listinha de esmaltes. Com a sensibilidade típica masculina, ele não deu bola para ela e só comprou o Sally Hansen 530 porque gostou do nome: “Back to te fuchsia”. O pincel é fantástico, a cor é linda – mas não tão linda quanto na foto que vi – e é o esmalte que mais gosto de usar!

Ah! A Sally também tem esmalte caneta!!

Eyeko: tenho muitos! Só não tenho os que não gosto da cor ou os que não tem mais. Não é uma marca cara, a compra on line é bem fácil, já que o site está, parcialmente, em português – além disso, tem atendimento em português para quem não sabe nada de inglês: larissa@eyeko.com – e o esmalte é bem bom!

E os que eu aguardo ansiosamente!!

NFU Oh: já postei sobre ele. Conheci no blog Lacquerized, que vivo citando! Vou falar o que eu acho quando eu experimentá-los.

Apesar de eu só ter comprado e postado as cores bizarras, há cores cremosas lindíssimas nessa marca.

E você, usa algum importado que foi esquecido aqui?! Tem algo a acrescentar sobre algum dos comentados? Dê seu pitaco!

Esmaltes grifados

Decidi dividir o post “Importados e grifados” em dois, para não ter um post gigante – assim, teremos 2 posts grandes!! Então, vambora, começando pelos “grifados”!!

Não sou expert em esmaltes, muito menos nos de grife. Vê lá se dou 72 dinheiros num Dior vermelho lindo e absoluto?! Nem se fosse impossível encontrar um genérico dele por aí. E, ainda bem, não é. Mas esmaltes de grife, assim como roupas de grife, tem seu charme. É claro que usar um Posh Polish nem se compara ao luxo de se usar um Particuliere, mas minhas unhas nem sabem disso…

Por falta de experiência, pesquisei, pesquisei e pesquisei para saber se os grifados são mais legais que os “comuns” e resolvi confiar na Marcela e na Ana. Mas não estou copiando (muito), pois “copiar engorda”…

Dior: fabrica seus esmaltes desde os anos 60 e sempre foram um luxo! A embalagem, assim como as cores, é linda!! O pincel é de cerdas naturais superregulares e não deixa arranhões – como alguns nacionais. A secagem é muito rápida. Nunca tive, mas experimentei na Chen e me apaixonei. Só não tive coragem por causa do preço. Por melhor que seja o esmalte, ele não dura uma semana nas minhas unhas e demoro a repetir a cor…Para quem pensa em investir em um esmalte superluxuoso, a Marcela recomenda o Dior.

Chanel: é a grife com esmalte que mais se destaca, definitivamente! Sempre lança um hit em pequena escala, para os exclusivos. Foi o caso do Jade – o verdinho – e, recentemente, do Particuliere – o marronzinho. Em termos de qualidade, diz-se que está no mesmo padrão do Dior. Conta contra o fato de ser cerca de 50% mais caro (R$ 92,00) e de ter muito menos cores disponíveis no Brasil. “O pincel é bom e foi muito fácil a aplicação. A textura é ótima e a pigmentação também. O esmalte é muito, muito brilhante e seca bem rápido.”*

YSL: dizem que a grife está querendo desbancar a Chanel como a queridinha dos esmaltes. Para isso, se inspirou nas belas praias do Mediterrâneo para a sua coleção de verão. Vários itens são de edição limitada, como os esmaltes La Laque em tons de laranja e violeta e os lindos batons Rouge Pure Shine em tons de rosa e laranja avermelhado.

O que eu achei bem legal é que, além de esmalte tradicional, a YSL também investe nos “esmaltes caneta”. Nunca usei, mas parece ser uma opção das mais simples para quem faz as unhas sozinha. Os da YSL chamam-se Nail Touch.

Coca-Cola: eu nem ia postar esse, mas surgiu a dúvida nos comentário, então…

A Coca-Cola lançou, na Inglaterra, uma linha de esmaltes de cores inspiradas em quatro cidades: nude (Londres), roxo (Paris), rosa (New York) e vermelho (Milão).Por enquanto, quem comprar garrafas de um litro de Diet Coke na Boots (rede inglesa de cosméticos), até 30 de junho, ganha os esmaltes. Para quem não mora na Inglaterra, diz-se de que a Asos vai vender os esmaltes, já que existe uma parceria do site com a Coca-Cola. Preço provável: 15 dólares! Mas não há previsão para início das vendas online…

Reinaldo Lourenço: é parceiro da Risqué. Já lançou, se não me engano, umas 12 coleções, entre elas, New York, Arábia e Jóias Mística. São cores lindas e o preço é bom. Ainda não tenho a colecção Jóias Mística, mas estou tentada a comprar, pelo menos, o Topásio Púrpura, com acabamento mate.

Arezzo: ano passado, graças a grande procura pelos esmaltes usados em uma campanha – que eram importados – a Arezzo decidiu investir em cosméticos. As cores são lugar comum e não valem, a meu ver, os R$9,90 cobrados. Não me seduziram, não…

Claro que outras grifes tem esmaltes, mas, por enquanto, é o que tenho. Se alguém quiser complementar o post, fique à vontade!!

* Citando Marcela.