Please, Mr. Postman!!

Os Correios estão uma meleca. Recebi uma cartinha – bondade minha… Foi um pedaço de papel, mesmo -, sem data, sem horário, sem qualquer informação, além do meu nome e um 0800, dizendo que eu deveria comparecer ao Correio, com urgência, entre 8:30 e 14:00. Para quê?! Só descobri hoje, no Correio, entre 8:30 e 14:00. Porque nem informar do que se tratava, por telefone, eles podiam…

O namorado foi lá. Era minha caixinha de Lime Crime – imaginava – que, por não ser Sedex, é entregue pelo carteiro à pé. Segundo o mesmo, ele deixou a carta no dia 18/08 – mentira… – e só não trouxe a encomenda à minha casa porque a caixa era grande – mentira… – e não cabia na bolsa dele. Sei… Por pouco, então, a encomenda não volta para NY.

O Correio era, há alguns muitos anos, a empresa mais confiável do Brasil. Era mesmo! Na época, não havia Sedex, mas as encomendas chegavam rápido e inteiras. Hoje, o Correio vive se enganando… Já recebi tantas cartas que deveriam ir para outra rua, para uma casa de mesmo número que a minha… E vice-versa.

Sem contar a carta que o namorado me enviou dos Estados Unidos que nunca chegou! Fica a dica: carta comum, vinda do exterior, costuma não chegar. Registre-a, sempre!! Dizem* que os funcionários do Correio abrem cartas comuns para ver se tem dinheiro. Tendo ou não, como violar carta é crime federal, eles jogam fora…

E o frete?! Fui tentar usar meus últimos 180 pontos na Loja da Melissa, antes que expirassem, e não pude. Por que?! Porque, para receber um chaveiro de R$10,00, em casa, via PAC, eu teria que pagar R$11,70. Preferi perder os pontos…

Minhas encomendinhas internacionais chegam no Brasil em, no máximo, uma semana, mas demoram 3-6 semanas para chegarem na minha casa – quando chegam na minha casa, né?! Encomenda Brasil-Brasil chega em, no mínimo, uma semana. Estou ficando com preguiça de comprar…

Daí, minha birra com a Eyeko. Vindo para o Brasil, eles cobrarão em real, com imposto. Um Eyeko Cream, que custa US$ 14.00 vai chegar por R$56,00. O frete, que fica em US$7.50, vindo da Inglaterra, não sai, para mim, por menos de R$12,60 vindo de São Paulo. Quero ter direito de comprar pelo site inglês, em libra – a conversão de libra para dólar, deles, é mais cara que nossa conversão de libra para real -, com possibilidade de frete gratuito, como era até alguns meses atrás. E, sim, quero produtos!!

Voltando ao Brasil, eu realmente gostaria de voltar a ter um Correio confiável, com menos gente preguiçosa, vagabunda e corrupta “trabalhando” lá. E, principalmente, quero que eles trabalhem sem aspas!

P.S.: o carteiro do Sedex, que me entrega as encomendas, é gente boa!! O Carlinhos, que me atende no Correio do Centro, é bem bacana, também.

* Não tenho provas e nunca vi acontecer. E pode ser que seja malandragem do serviço postal do outro país, também…

Alguém resiste?!

Eu tô meio que “de mal” da Eyeko… Mas dá para resistir?!

Não entendeu nada?! Nas compras acima de 15 dólares, seja qual for o produto, a Eyeko dá desconto de 25%!! Não tem muito produto, não, mas se você não tem nada da Eyeko ou tem um desejo absurdo pelo esmalte azulzinho!!, está na hora de passar lá!!

Mas é só até meia noite de hoje, horário de Londres – 4 da madrugada daqui.

Arco-íris

Estou ansiosa pela chegada das minhas novas Lime Crime!!

Tão logo minha linda caixinha azul chegar, é assim que eu fico:

Além desses, tenho quatro outros que saíram de linha: Fairy Wings (substituído pelo Cupcake), Primadonna (substituído pelo Abracadabra), Duchess (substituído pelo Troubadour) e Enchant (não substituído).

Batons!!! No She Didn’t (azul), Styletto (preto), Countessa Fluorescent (rosa fluor), D’Lilac (lilasinho boca de defunto), Great Pink Planet (rosinha apaga-boca), My Beautiful Rocket (laranjão), Retrofuturist (vermelho). Postei um swatch deles aqui.

Acho que está na hora da Doe criar novos produtos…

Cheesecake de Cereja

Namorado, sempre que viaja sem mim, traz presente! Desta vez, ele bem que tentou me trazer Você é o que você come, da Gillian McKeith, livro de receitas da nutricionista mais linha dura da TV!! Para quem quer emagrecer e ser saudável, é um livro fabuloso! Mas não se encontra no Brasil em lugar nenhum… Meleca…

Então, ele foi pelo caminho inverso e comprou Nigella Express, livro de receitas gordas – muito muito gordas – da Nigella Lawson.

Como não vou engordar sozinha, compartilharei uma das receitas com você!!

Cheesecake de Cereja

125g de bolachas Maria ou Maisena
75g de manteiga amolecida
300g de cream cheese
60g de açúcar de confeiteiro
1 colher (chá) de extrato de baunilha
1/2 colher (chá) de suco de limão
250ml de creme de leite fresco
284g de geléia de cereja

Como fazer:

Bata os biscoitos no processador (ou liquidificador) até que se esfarelem. Junte a manteiga e forme uma massa compacta.

Pressione essa massa no fundo de uma forma de fundo removível de 20cm de diâmetro. Pressione bem os lados para que fiquem um pouco mais altos que o meio.

Bata juntos o cream cheese, o açúcar, a extrato de baunilha e o suco de limão até a mistura ficar cremosa.

Bata o creme de leite e junte-o à mistura de cream cheese. Espalhe o creme sobre o fundo de biscoito e alise bem. Deixe na geladeira por 3 horas.

Desenforme e cubra com a geléia de cereja.

Serve: 6-8 porções

Sim, esse cheesecake não vai ao forno. Estranho, mas é verdade! Claro, se quiser assá-lo, vá fundo! Mas não precisa.

Assim como não precisa da cobertura de cerejas. Pode ser de qualquer outra fruta, calda ou geléia, a sua escolha. A Nigella usa geléia sem açúcar ou cerejas frescas – quando é época.

Foto: Lis Parsons

E por falar em roupas…

Para quem não sabe, Tim Gunn é diretor de criação da Liz Claiborne Inc, empresa onde trabalha desde março de 2007. Antes disso, dirigiu uma cátedra do departamento de Design de Moda na prestigiada Escola Parsons, onde lecionou durante 29 anos e atuou como vice-reitor. Ele também participa do programa Project Runway e tem seu próprio programa, o Guru de Estilo.

Em Guru de Estilo, Tim da dicas do quê manter no armário, do quê se desfazer e em quê investir. Quase sempre, acontece com as participantes desse tipo de programa o que me aconteceu: a mulher mudou – de peso, de idade, de cidade –, mas não conseguiu adaptar suas vestimentas a essas mudanças. E é aí que entra o Tim com sua expertise!!

Tim ajuda a pessoa a selecionar suas roupas e a dividi-las em 4 pilhas:

  • Para guardar: roupas que servem, estão em bom estado e vestem bem, favorecendo o corpo.
  • Para consertar: roupas que tem um bom modelo, mas precisam de ajustes para que vistam bem.
  • Para doar: peças em bom estado, mas que não caem bem ou não servem mais.
  • Para eliminar: roupas muito velhas e em más condições.

Depois de separadas as peças, ele avalia o que falta, já que existem 10 peças indispensáveis para o guarda-roupa de qualquer mulher! São elas:

  • Casaco tipo trench coat ou sobretudo
  • Camisa branca clássica
  • Calça social clássica
  • Vestido pretinho básico, para ocasiões especiais
  • Blazer ou jaqueta
  • Saia
  • Suéter de cashmere
  • Jeans
  • Alternativa ao moletom, como um casaco leve de tricô
  • Vestido leve, para o dia

A lista do Tim Gunn mantém o foco nas peças básicas que todas nós devemos ter. A vantagem é que, mesmo fora de forma, podemos estar bem vestidas, sem investir em roupas demais e sem desistir de ficar bonita!

Eu acrescentaria à lista: acessórios!! Bolsas, sapatos, colares, brincos, lenços, chapéus… Nada disso se perde quando emagrecemos e são os grandes responsáveis por deixar esse guarda-roupa tão básico mais criativo e interessante.

Vale tentar!

Gordinha…

Eu vivo reclamando que não tenho roupa, mas, na verdade, eu tenho uma porção delas – mais precisamente, dois armários cheios. O que acontece é que eu fiquei “bolinha” e minhas roupas de magra não me servem mais. Isso é muito comum! Engordamos, mas mantemos o armário de magra e não investimos em roupas para o novo corpo, porque, senão, estaremos nos conformando em engordar. E, isso, nunca!

Mas, na maioria das vezes, a conformidade em engordar acontece, sim, pois é mais fácil do que emagrecer. Nos adaptamos ao novo corpo, ele não é mais tão bonito, e, por isso, exige menos de nós, não dá trabalho… Assim, não precisamos mais nos privar de certas delícias, não precisamos mais fazer ginástica, não precisamos encarar os sacrifícios…

Errado!! Encarar os pequenos sacrifícios antes que se tornem grandes demais, até maiores do que a gente, é importante! Emagrecer antes de ficar irremediavelmente gorda, fazer ginástica antes de ficar caída, cuidar da saúde antes de ficar doente!

Sim, eu morro de preguiça de tudo isso… E, se eu seguisse meus próprios conselhos, eu seria bem mais feliz… E não estaria culpando o azar pelos meus percalços.

Não foi minha escolha engordar. Eu quis parar de menstruar – menstruação, para mim, é doença e grave! – e coloquei implante hormonal. Custou uma fortuna. Doeu bem. Mas não parei de menstruar – literalmente. Sangrava um pouco todo santo dia – e fiquei inchada. Tentei drenagem linfática, mas, além de cara, é dolorida demais! Branquela como sou, ficava cheia de hematomas. Tentei musculação, mas era tão chato, que nem os benefícios foram suficientes – apesar de muitos e visíveis – para eu me manter na academia. Tentei regime, mas eu já não tinha 20 anos e o metabolismo não responde tão bem… Parei de tentar. Quando percebi – e só percebi quando tive uma festa para ir e nenhuma roupa me serviu – estava 15kg acima do peso. E se manter 15kg acima do peso é difícil, pois f* por um, f* por mil. Ou, em palavras menos grosseiras, depois que se engorda, engordar mais é muito fácil. Eu perdi o controle. Eu como cada vez mais e com cada vez mais frequência. Eu como bobagens e faço coisas que eram impensáveis para mim, aos 51,5kg: eu tomo refrigerante!!

Quando eu afirmei que iria mudar, eu menti. Eu não mudei. Não naquele dia, não com a chegada da Avon. A primeira mudança que tem que acontecer é no meu modo de me ver. Eu não gosto do que eu vejo. Mas tenho que! Por que?! Porque só nos gostando é que nos damos a chance de melhorar. Se eu não gosto do que vejo, paro de me olhar, fujo de máquinas fotográficas, paro de sair de casa e, quando eu perceber, não saio mais de casa por não passar pela porta…

Inspiração, chupação ou falta de vergonha?!

Acabei de receber, por e-mail, uma coisinha curiosa… Tenho que compartilhar:

Saca só a logo que foi feita pro Programa das Nações Unidas para o “Ano Internacional da Biodiversidade” e a logo que nosso amigo Bruno Bicalho fez pra Prefeitura de Itaúna, para aquele absurdo que está sendo aquelas obras na praça. É foda… é fácil enganar os desinformados…

Original.

Inspiração, chupação ou falta de vergonha

É muito fácil fazer logo barata. Não requer talento nem formação, mas informação, já que é só pegar uma ideia pronta… Vergonha alheia…

Hello/Good-bye

Faz tempo que não posto a Farmília, aqui. Eu queria, de fato, fazer um especial, com muitas fotos e vídeos, mas está bem difícil de sair… Então, de volta ao de sempre…

Compilei fotos das minhas crianças lindas. Vamos a elas:

Angolas prontas para ir…

E lá…

Eu adoro as angolas. São animais selvagens, indóceis, lindos e loucos! Mas muito barulhentos e brigões. Eu estava ficando maluca com os tô-fraco madrugada adentro… Tive que abrir mão delas…

As duas mais velhas foram para o sítio de uma conhecida. As crianças foram para o Depósito do Sindimei. A miudinha chegou bem fraca… Não sei se sobreviveu…

Nem é primavera, ainda, e as galinhas estão chocando loucamente! Nessa disputa de ninho, não sobraram ovos. Quebraram-se todos!! Ainda bem, acho… Tive que dar umas garnisés, também… Galinhas barulhentas e loucas que procriam mais que coelho!

O Peru do Aldo, expulso de casa, acabou indo para a panela… Estava gostoso, mas foi triste…

Lindo e garboso… Foi para o céu dos perus em grande estilo…

Estou com 7 8 7 pintinhos num viveiro (achei mais um ontem, mas ele não resistiu)… A Panqueca está adorando interagir com eles…

A perua chocou uma penca de ovos… Nasceu de tudo, menos peru. E ela rejeitou todos… Morreram alguns e, dentre os resgatados, dois pintinhos gigantes!!

G-zuz teve dois filhos, chocados numa caixa de isopor…

Um sumiu e o outro foi para o viveiro.

Esse é o principal motivo de eu estar com as pernas arranhadas… A Panqueca usa meus jeans como escada. Fofura…

Panqueca mostrando língua!

E, por fim, a Biodiesel se admirando no espelho.

Porque tanta remela, se tão linda?!…

E o que seria de mim sem os “updates”?

A Gasolina pegou um pombo, ontem. Viva!! Detesto pombos, esses disseminadores de pestes! Mas ela não o matou, só machucou bastante. Como faz?! Fiquei com dó, peguei a ave e pus numa gaiola, com água e comida e num lugar mais aquecido. Ele sobreviveu à noite, mas morreu há poucos minutos… Fiquei bem triste… A vida é estranha…

Continuidade e alternância

Li esse texto do Ferreira Gullar, na Ilustrada da Folha de S. Paulo do dia 15 deste mês, e tomei a liberdade de copiá-lo e colá-lo aqui. Liberdade, essa, que nem o Gullar nem a Folha me deram. Mas decidi correr o risco, pois o texto é bem escrito e diz o que eu tento dizer, mas com mais eficiência do que eu teria para fazê-lo.

ATÉ O MOMENTO em que escrevo esta crônica, a situação dos dois principais candidatos à Presidência da República continua indefinida. A menos que haja uma súbita mudança na avaliação deles pelo eleitorado, a disputa deve se manter acirrada até o último momento.
Na opinião de Lula e do PT, Dilma Roussef vencerá o pleito e até, dizem eles, no primeiro turno. É natural que o digam, ainda que da boca para fora, porque se deixarem transparecer a mínima dúvida quanto à vitória, sua candidatura se desfará como um castelo de cartas.
E a razão disso é que essa candidatura se apoia única e exclusivamente na possibilidade de transferência da popularidade de Lula para a candidata que ele inventou.
Ela mesma, Dilma, nunca pretendeu candidatar-se a nenhum cargo eletivo, muito menos ao posto supremo da nação. Lula a inventou candidata apesar disso, mesmo porque não havia muito o que escolher dentro de seu partido.
A hipótese de Lula é que, apresentando Dilma como a continuadora de seu governo, que conta com mais de 70% de aprovação, ela seria eleita. Parece lógico, mas talvez não seja tão simples quanto parece.
Tudo depende de como o eleitor receberá a proposta de Lula, e depende também de como o candidato do PSDB se comportará em face dela. Se José Serra, de fato, não confrontar a tese de Lula, ela prevalecerá e Dilma terá grande chance de vencer as eleições. Mas e se, ao contrário, ele achar que a história não é bem assim, se entender que a continuidade administrativa é uma norma a ser seguida pelo futuro ocupante do Palácio do Planalto, seja ele quem for?
Aí a coisa muda de figura, pois retira da candidatura de Dilma o único argumento que efetivamente a sustenta, uma vez que ela não tem como provar que é capaz de governar o país, mesmo porque nunca governou sequer um Estado e nem mesmo um pequeno município.
Já Serra, se adotasse tal postura, teria um argumento decisivo no fato de que o governo Lula continuou o governo FHC e foi graças a isso que obteve o êxito que obteve.
Já imaginou se ele tivesse acabado com o Plano Real, a Lei de Responsabilidade Fiscal, o superavit primário, o Proer e a política de juros do Banco Central, que viabiliza a luta contra a inflação? Foi o temor de que Lula não desse continuidade ao governo anterior que provocou a crise de 2002; continuidade que, na verdade, vem desde o governo Itamar Franco, e que permitiu ao Brasil enfrentar com êxito a crise de 2008.
Logo, se Lula, adversário feroz do governo FHC, o continuou, não há por que Serra não faça o mesmo com respeito ao governo Lula, que deu continuação às políticas implantadas pelo governo do PSDB.
Pois bem, se José Serra assumir claramente esse opção, como ficará a candidatura de Dilma? O fato de Lula afirmar que ela é a continuação de seu governo não é garantia de que ela será capaz de fazê-lo e com a inventividade necessária. O eleitor certamente perguntará: qual dos dois candidatos está mais preparado para manter com êxito a continuidade administrativa?
Se levar em conta a história de um e de outro candidato, a folha de serviços de cada um deles, poderá optar por Serra, cuja competência como gestor público está comprovada, no exercício destacado das funções de ministro da Saúde, prefeito e governador de São Paulo, além da atuação parlamentar de indiscutível eficiência.
Por outro lado, como pode Dilma convencer o eleitor de que é mais capaz que Serra de exercer as funções de presidente da República? Só a palavra de Lula não basta, já que tem interesse em manter o poder nas mãos de seu partido. Durante a campanha na TV, poderá o PSDB demonstrar que Dilma nunca desempenhou o papel que Lula lhe atribui (mãe do PAC etc.), porque a Casa Civil, que ela chefiou, tem funções de mera assessoria do presidente. Não realiza nada.
Isso sem lançar mão de outro argumento, de grande importância para o país, que é a alternância dos partidos no poder, que a vitória de Serra implicaria. Esse é um fator decisivo para a saúde do regime democrático, porque viabiliza o desmonte do aparelhamento da máquina estatal pelo partido (ou pelos partidos) que fique no poder por longo tempo.