RSS Feed

dezembro, 2011

  1. Fazenda dos cachorros felizes

    30 de dezembro de 2011

    Eu acredito na Fazenda dos Cachorros Felizes. É para lá que os cães vão quando não estão aqui.

    Lá é lindo! Tem cavalo, pato, bicicleta e carro para se perseguir. Tem bolinha sendo jogada o dia todo. Tem sofá e cama quentinha para os cachorros se aninharem ou roerem o pé. Tem chinelo e sapato novo para ser mastigado, tem lençol no varal para eles sujarem. E todo cachorro vai para lá. Todo. Porque todo cachorro é bom, sem excessão.

    A Vaca foi para lá. E encontrou a Cow-Cow, a Pandora, o Perrela, o Frango e até o Percinval. Encontrou todos os amigos dela e ficou muito contente. Foi muito bem recebida, como um dia bem recebeu todos eles aqui em casa.

    Eu acredito que este mundo é injusto e cruel, mas na Fazenda dos Cachorros Felizes só há alegria.

    Quando eu morrer, quero ir para a Fazenda dos Cachorros Felizes. Quero encontrar a Vaca e os amigos dela, meus cães amigos e todos os outros que não tive a sorte de conhecer. O bom é que a Fazenda dos Cachorros Felizes fica coladinha na Fazenda dos Gatos Felizes, então, vou poder visitar os gatinhos, também. E ser feliz para sempre.


  2. The most loneliest day in my life

    27 de dezembro de 2011

    Such a lonely day
    And it’s mine
    The most loneliest day in my life

    And if you go
    I wanna go with you
    And if you die
    I wanna die with you
    Take your hand
    And walk away


  3. Eu deveria ter deixado para fazer a lista de melhor e pior de 2011 no dia 31, mas eu realmente não esperava mais deste ano. Mas ele conseguiu me surpreender. Ele conseguiu se superar… E, encurtando a história longa, ano que vem não tem mais Vaca. Dia 31 30 termina para ela. Mas como só termina quando acaba, ela vai ser feliz demais enquanto isso. Juro!

    Obrigada por toda a torcida, orações, apoio e carinho…


  4. Feliz 2012!!

    22 de dezembro de 2011

    Que venha 2012, com suas promessas de recomeço – e de fim de mundo. Um ano melhor – quiçá, o último!!

    E, enquanto o Ano Novo não começa, sejamos felizes, gulosos, amigos, solidários e aproveitemos muito a família e o Natal… Afinal, vai que não haja outro…

    Obrigada a todos(as) pela companhia, apoio, puxões de orelha e amizade. Conto com vocês no ano que vem!


  5. Na torcida!

    21 de dezembro de 2011

    E, se tudo correr bem, o mundo acaba em exatos 366 dias!! U-hu!!


  6. A Vida em Farmília

    Nasceram 4 pintinhos num ninho comunitário. São 3 galinhas para cuidarem deles e hoje já tive que salvar um. Alma de gato é uma ave que “mia” e achei que o nome era por causa disso. Pelo visto, é porque eles gostam de comer pintinhos… Foi por pouco…

    Então, vem o medo. Hoje em dia, o medo toma conta de tudo que é vivo na minha vida. Medo da chuva que está chegando matá-los. Das três loucas não se acertarem e eles morrerem por falta de cuidados. De gambá, coruja, tiú ou qualquer predador que venha a aparecer… Ao mesmo tempo, não quero me meter. Elas merecem cuidar das crias delas e eu mereço ter uma conta de luz decente – manter pintinho na lâmpada custa muito dinheiro.

    Vou deixar ser…

    Quanto à Vaca, não há nenhum update, mas, como perguntaram, vamos aos fatos:

    Ela tem uns tumores, isso é certo. Mas, como estava muito inchada, não dava para ter noção real do tamanho deles. Ela está tomando cortisona e diurético, além de antiinflamatório e Gardenal. Sexta-feira, levaremos ela para mais uma consulta. Mas a biópsia dos tumores e as chapas para ver a extensão do problema e se é maligno, só em um mês.

    Ela parece sentir dor, está respirando com dificuldade e, só de ter desinchado um pouco, já dá-se para ver que os caroços são muitos e grandes. Mas estamos fazendo nossa parte: a amando muito e cuidando. Torcendo para tudo dar certo, porque a Vaca é muito fofa e merece tudo de bom, né?!

    Obrigada pelo apoio de vocês todas. Não temos a intenção de desistir da luta e faremos tudo o que estiver em nosso alcance para salvá-la, nem que, para isso, tenhamos que fazer rifa, vender o carro, cortar despesas…

     


  7. Nossa Vaca

    18 de dezembro de 2011

    Dizem que quando vamos escolher um cachorro, não devemos ficar com o que nos escolhe, porque um cachorro “ousado” é sinal e problemas. A Vaca nos escolheu. Saiu lá o cantinho, onde brincava com os irmãos, e veio até nós. A irmã dela, que teria sido nossa escolha natural, não foi tão simpática e ficou para trás.

    A Vaca é o melhor cachorro que eu já tive em casa. Está viva, aprendeu rápido a não fazer xixi dentro da casa – e ensinou aos outros que passaram por aqui -, nunca atacou um gato ou uma galinha, rosna e late para os intrusos e recebe muito bem os convidados. Ela é amiga, doce, fiel e fedorenta. Ela é tão feia que é linda!

    No começo de dezembro, ela entrou no cio. Seria o último cio dela, pois estávamos dispostos a castrá-la. Não a deixamos cruzar desta vez. Apesar dos filhotes dela terem sido todos lindos e saudáveis, não ficamos com eles e me cortou coração vê-los partir. Não queria mais isso.

    Passou o cio e ela estava inchada. Levamos ao veterinário, porque somos deste tipo de gente que se preocupa com bicho e não se importa em pagar pelos cuidados. E o diagnóstico foi devastador: tumores. Segundo o veterinário, grandes chances de serem malignos, grandes chances de metástase. Possibilidade da convulsão ter sido causada por tumor. E o cio injetou uma carga hormonal que os fez crescer rápido demais.

    Começamos o tratamento no mesmo dia. Em um mês, começam os exames e, dependendo dos resultados, as cirurgias. Depois, quimioterapia.

    Tenho medo. Medo de não conseguir pagar o tratamento. Medo de não existir um tratamento. Medo de perdê-la. Ela só tem 6 anos. Não estou preparada para não ter mais a Vaca.


  8. Espíritos

    16 de dezembro de 2011

    A vida, às vezes, parece essas coreanas fantasmas montadas na corcunda da gente. A minha coreana andou ganhando peso. Muito peso. Pensei em dar Xenical a ela, mas, aí, eu ficaria toda c*gada… Não sei o que é pior… E, na dúvida, ela tem crescido e, em dias como hoje, não consigo nem respirar. É muito peso. Cadê meu abraço grátis?


     

    Eu tento ser mais leve, mas a carga é pesada…


  9. A amizade

    15 de dezembro de 2011

    Marido jogou na minha cara que eu não tenho amigos. Ele queria provar que eu estava errada e achou que o argumento era válido para mostrar que afasto as pessoas e estou sozinha. Pelo visto, ele não me conhece.

    No sentido “Harmony Cats” da palavra, não, não tenho amigos. Não tenho esse desprendimento necessário para cultivar amizade e nem quero o desprendimento de ninguém. E as pessoas não estão preparadas para uma relação honesta e sem compromisso com os desejos e ansiedades delas. Elas querem terapeutas e não me importo com os outros o suficiente para ficar ouvindo as abobrinhas. Ou me importo demais para ouvir e não poder falar as verdades. Enfim, não é para mim.

    Eu amo muito poucas pessoas, gosto de algumas e tolero um bocado de outras, desprezo todo o resto. Mas há três amigas que foram realmente especiais, pena que passaram:

    • Minha prima Jubas. Era ótima! Eu tinha 18-19 anos. Ela é uns três anos mais nova, mas era bem mais madura do que eu. E muito mais inteligente e culta. Aprendi tanto com ela. Pena que surgiram os namorados e a gente se afastou. Hoje, ela está na Nova Zelândia, mas nunca deixou de ser uma das minhas pessoas favoritas.

    • Vanessa. Fazíamos companhia uma à outra. Tínhamos interesses em comum. Mas não havia cumplicidade e confidências. Partiu dela. Ela nunca falava e eu nunca me senti em liberdade de falar. Era bom, mas, um dia, ela se foi. Talvez ela quisesse mais, mas não falou. Me deu um disco do Red Hot Chili Peppers com uma cartinha de despedida e se afastou. Nem doeu muito. Hoje, ela mora em São Paulo.

    • Doía ter que ouvir lamúrias e choramingos da Cecília, o tempo todo. Era muito drama. Deu certo, por um tempo, porque eu estava numa fase bem dramática na minha vida, também. Mas, quando passou a minha fase e a dela, não, ficou difícil. Falei as verdades que ela não queria ouvir e, incrível!, adiantou. Ela cresceu, evoluiu, se tornou uma pessoa bem mais agradável de se conviver e se mudou pra Santa Catarina.

    Hors-concours é o Peet-It-You. Nunca amei tanto alguém. Mais do que a pai, avó, namorado, gato. Eu realmente me dediquei a ele. Eu me importava, queria o bem, cuidava. E não foi recíproco.  Ele ficou com meu ex, na “partilha de bens”… OK.

    Assim, aprendi que as pessoas supervalorizam o amor e a amizade, criam expectativas irreais e necessidades. Deve ser culpa da poesia e a música de dor de cotovelo. Só pode. Precisamos, sim, das pessoas, pois somos formigas e cada uma tem seu papel na sociedade, mas é só… Dependência emocional é para os que não se suportam. Para quem se garante, quem se conhece, quem se ama, é bem possível ser feliz sozinho.


  10. Hoje, eu mudei

    13 de dezembro de 2011

    E, enfim, depois de tantas promessas, a cara do Pitacos mudou!

    Apesar deu ser designer, não usei meus dotes para criar o layout nem a logo… Estou tomada pela preguiça. Mais um pouco e contrataria alguém para fazê-lo… Aliás… Contratei… Valeu, Ângelo!!

    A logo foi feita pelo marido. Eu faria algo completamente diferente e deve ser por isso que gostei.

    Já me perguntaram sobre os passarinhos. Por que passarinhos? Onde estão os gatos? Resposta: E por que não, passarinhos? Gostei do desenhinho e pronto. Não tem simbologia, metáfora nem nada. Só gostei e achei que ornou com o fundo de canvas. E os gatos aparecem a torto e a direito no blog, só que não os desenharei mais, por um bom tempo…

    Ainda tenho que mudar umas coisinhas, tipo minha apresentação, que está obsoleta. Com o tempo…

    É isso aí. Quem gostou, bata palmas. Que não gostou, coma menos, como diz minha avó!


s_link('Próximo'); ?>