When doves cry

Por falar em propaganda, sou só eu que detesto as da Dove?! De-tes-to!

Acho inadmissível que uma marca que manipula luz, fotos e informações para que toda “mulher Dove” seja “naturalmente” bonita venha me falar de manipulação de imagem e de mercado cruel com a mulher.

E qual é esse tal de mercado cruel? É a moda? É a publicidade?! Mesmo?! A moda e a publicidade nunca me falaram que eu era feia. Quem me falava que eu era feia eram as pessoas a minha volta, antes que a moda e a publicidade dessem um jeito. A moda fez com que o diastema fosse aceito. Ninguém achou bonito, ninguém correu pro dentista para abrir espaço. Mas muita gente parou de implicar! A moda adora as diferenças! A publicidade adora ruivas! E ver ruivas em campanhas e propagandas fez com que começássemos a ser aceitas. Quando eu era criança, era típico o pensamento: “crianças ruivas são tão fofinhas… Pena que crescem”. Pois eu cresci e pena nenhuma!

Ah… Mas e a anorexia?! É culpa da moda! Mesmo?!

Assisti no Discovery, há um tempão, um programa sobre a mais nova anoréxica do mundo. A garota, aos 8, parou de comer. E não foi porque Paris gosta de modelos magérrimas. Foi porque ela assistiu a “The big looser – Perder para ganhar” na TV e associou a perda de peso à satisfação e vitória! O mesmo programa mostra que anoréxicas são meninas perturbadas e controladoras que querem exercer poder e controle sobre as próprias vontades, sobre o próprio corpo. A maioria nunca vai ser modelo, nem quer.

Mas há as modelos que morrem de inanição, todo ano! É, há. Assim como também há as que vivem anos de glória e fortuna com poucos quilos de peso, sem grandes – ou pequenos – sacrifícios ou problemas. Se você não tem como ser do time dois, não vá para o time um. Bom senso está sempre na moda.

Se formos pensar um tiquinho, distúrbio de imagem é uma coisa de nosso tempo e não é culpa de um ou de outro. É uma somatória de perturbações. Mulheres loucas + reality shows + Hollywood + cirurgiões picaretas + “avanços” cosméticos + consumo exagerado. Afinal, você já viu alguma modelo com a cara da Donatella? Ela é rica, mas é bonita?! Ela já foi anoréxica, alguém copiou?!

Ah, mas as publicidades de cosméticos alisam tanto as mulheres que elas nem tem poros, mais. Mulheres famosas não tem poros desde de Rita Hayworth! Se não houver exageros/erros na manipulação da foto, ela fica fantástica! E a gente quer igual. Para alcançar a ilusão, temos cosméticos de “efeito Cinderela” – que saem com o banho – que resolvem o problema. Trabalhar a luz e sombra na maquiagem, nos contornos do rosto e do nariz faz uma plástica instantânea e poderosa. Meio quilo de sérum/primer lhe deixam lisinha por um dia! Igualzinho no Photoshop. Quer algo mais permanente? Botox! Liso intenso por até 6 meses!

E lábios carnudos?! Podemos ter, também! Cabelos lisos? Claro! Louros?! Intensos!! E olhos claros para todas!! Dentes da Halle Berry são tendência! Até ela comprou pra si!! Pele bronzeada em pleno inverno ártico?! Por que não?! Peitão? Bundão? Combinam com o bocão!! Celulite e estrias ainda não tem solução definitiva, mas, vá, até a Kim as tem…

kim-kardashian-cellulite-coverE precisa parecer natural?! Claro que não!! Precisa ter cara de “mexido”, para mostrar poder aquisitivo!!

O “nosso novo padrão de beleza” não veio da moda ou da publicidade. Veio da eterna insatisfação do ser humano com a aparência (humana). Veio com a falta de raciocínio e de bom senso. Veio da superficialidade dos nossos dias, veio das empresas de cosméticos que viram o filão! Veio de você, que se emociona com propaganda de Dove, cheia de coitadas que se sentem feias porque não podem fazer plástica… Assistem, choram enquanto pensam “mas ela bem que podia arrumar estes dentes…”. Sei. Tô te vendo!

E, na sincera total, Dove, foram as pessoas comuns que baixaram minha bola, enquanto eu permiti que elas fizessem isso. As mesmas que, se não estiverem sendo filmadas, são “sinceras” e precisas em apontar defeitos. Que me fariam muito mais feia e triste num retrato falado do que eu jamais poderia me fazer. E, na boa, isso é propaganda e, não, realidade. Se fosse, seria documentário – e, mesmo assim, eu duvidaria e faria pouco, vindo de quem vem. A manipulação já começa em se contratar um cara para fazer dois desenhos em que, obrigatoriamente, o primeiro TEM QUE SER menos bacana que o segundo – tá no roteiro, senão, não tem propaganda. A manipulação se perpetua na musiquinha triste e com a tendência das mídias digitais em promover o politicamente correto de boutique.

Vamos cair na real mesmo, de verdade? Quase ninguém é lindo. Somos quase todos meramente razoáveis, esteticamente. Com ou sem maquiagem, como ou sem banho de loja. E não precisamos de mais do que isso para nos amarmos e sermos amados. Afinal, não foram as minhas leitoras que me disseram que o importante para uma mulher é não ser burra?! Que beleza nem é fundamental?! Então, quem de nós está preocupada com defeitinho besta? Quem aqui precisa ser perfeita para se sentir segura?!

Outra coisa que me incomoda é que, segundo as estatísticas da Dove, somente 4% das mulheres estão satisfeitas com a aparência. Mesmo?! Você tem Facebook? Já viu quanta amiga posta fotos horrendas, em frente ao espelho, fazendo bico, de batom Snob, se achando lindona?! Elas representam mais de 4% das pessoas que você conhece?! Aposto que sim. Então, onde estão essas 96% de infelizes?! Escondidas?!

Sabe, no fim das contas, há vantagens nesta loucura coletiva! Se antes, só era feio quem não tinha grana, hoje só é muito destrutivamente feio quem tem grana o bastante! E viva a mediocridade física!

Update: a Luana me passou a dica de um texto, muito bom, porém, em inglês, de uma moça que viu além na propaganda de Dove. E concordei demais. Vale a leitura – peça ajuda ao Google Tradutor, se necessário!

Aquela coisa…

27 de Abril é Dia do Designer Gráfico. 1º de fevereiro é Dia do Publicitário. 5 de Novembro é Dia do Designer. 4 de Dezembro é Dia Mundial da Propaganda. Tantas datas para se comemorar, tão pouco a se comemorar…

Eu me lembro da propaganda do meu primeiro sutiã. Lembro o nome da modelo e a marca.

Eu me lembro do Pool da Gata e do Gato. Das músicas do D’Arby, que ainda amo. Das falas.

Melissinhas e as ruivinhas. Clássicas!

“Tostines vende mais porque é fresquinho ou é fresquinho porque vende mais?”
“Também, tem duas embalagens!” Slogans difíceis de esquecer!

Coca-Cola dá mais vida. Coca-Cola, um sorriso!” Os jingles eram ótimos!

Não que hoje não haja ótimas propagandas. Até há. Mas estão perdidas em meio a um monte de porcaria! E nada mais é memorável. O objetivo é ser “viral”, circular na Internet até cansar, virar meme, ganhar prêmio e sumir.

Antigamente, propaganda era cara, tinha que durar, tinha que atingir em cheio.

E não era cara só para o anunciante/cliente. Estudar Publicidade era para os bons, pois eram pouquíssimas faculdades e não era fácil entrar nelas. Por isso, havia poucos profissionais em poucas agências. Se o cliente era mala, não conseguia agência e, como não existia “Programa CorelDRAW para todos”, não existia “sobrinho” para substituir agência. O trabalho era valorizado, o cliente era valorizado. Todo mundo ficava feliz e prosperava junto.

Há coisas – como curso superior – que não deveriam ser democratizadas, eu lhe digo. Não hoje em dia. Primeiro, vamos dar base para os alunos, investir no básico, na alfabetização, no desenvolvimento do raciocínio que ninguém vai precisar de cota para fazer faculdades. E ninguém vai aceitar fazer péssimos cursos em péssimas faculdades. E ninguém – tá, quase ninguém – vai se formar como péssimo profissional.

É triste ver o perfil do “profissional de comunicação”, nestes tempos. Jornalista que não sabe escrever, pensar, ler ou entrevistar. Publicitário que não pode fazer braimstorming – porque não tem ideias –, que não tem tempo de rough¹, que não sabe “criar” sem a ajuda da Internet. E que fica impondo jargões, como se todo mundo tivesse obrigação de saber o pouco que ele aprendeu na “facul”.

Se não bastasse, ainda tem isso:

publiciotarioMais dramas tirinhas, aqui.

Sempre teve disso?! Duvido. Clientes costumavam valorizar o profissional, pagando bem e poupando o tempo dele com o que interessa, que é criar bem.

E não é só cliente que complica a vida, não. Como há milhares de agências e “eugências”, o fornecedor está – quase que literalmente – c***ndo para as agências. “Se não quer, tem quem – não me conheça – queira!” Eles só se esquecem que há milhares de graficazinhas/representantes, também!

Então, em meio a um mercado de m**da, como faz para sobreviver? Ah… Tem a tal da licitação publicitária! Um negoção. Mas, infelizmente, cheira a vestibular com sistema de cotas para “peixe”. É que, mesmo você sendo o melhor, não é garantido que você ganhe. E se ganhar, pode ser que tentem lhe levar para o lado negro da força. Coisas da vida…

Abre parênteses:

E por falar em lado negro:

DESIGN DEPRESSAO TA DE ZUA DAKO LOGOMARCANão se iluda!! Isto é outra coisa que não Publicidade/Design, porque, vou lhe contar, esta mudança não vale o que foi pago. Não mesmo. Leia a respeito, aqui.

E que saco esta chateação dos Designers com a pobre “logomarca”. Ok, logo=marca, logo, logomarca=marcamarca. Tá. Mas, se há comunicação e o leigo entendeu o que é, ótimo! Não dou conta é de cliente perguntando sobre o slogan, querendo dizer logo!

Fecha parênteses.

Ah! Você também pode abrir uma lojinha de produtinhos imbecis e metidos a besta e ahazar no Facebook!! Esqueça o que você estudou sobre direitos autorais. Esqueça que você sabe que não se pode usar uma marca sem autorização. Esqueça que existe uma tal de ANVISA que não lhe permite trocar rótulos de produtos ao seu bel-prazer. Esqueça!! Ahaze!!

Outra opção é desistir de tudo e ir vender pastel de camarão na praia!

Como eu persisto no erro, vivo estressada. Sobrevivo fazendo continhas e deixando uma dividazinhas pra trás, pra quando der… Mas se eu pelo menos soubesse fazer pastel…

1. Rascunho, estudo feito à mão.

 

 

Não contém glúten

Quando vi esta receita no Pinterest, duvidei. Isso não é possível! Como assim, um bolo sem farinha e sem fermento?! Mas marido falou: FAZ! E fiz.

20130324-DSC_0951

Maravilhosa!

Para quem quiser fazer, eis a receita, traduzida:

BOLO DE CHOCOLATE SEM FARINHA

Ingredientes:

200g de chocolate de boa qualidade – usei meio amargo, da Garoto
80g de manteiga – e um pouco mais para untar a forma
4 ovos separados
Pitada de sal
50g de açúcar (1/3 xícara)
1 raspas de laranja (opcional)
2 colheres (sopa) Grand Marnier – licor de laranja (opcional) – eu usei conhaque, mesmo!

Creme:
250ml de creme de leite gelado sem soro
1 colher (sopa) de açúcar

Sorvete (opcional)
Frutas vermelhas frescas

Modo de Preparo:

Aqueça o forno a 180C.
Derreta o chocolate e a manteiga em uma tigela em banho-maria, mexendo de vez em quando. Vai demorar 2-4 minutos para o chocolate e a manteiga derreterem.
Nota: certifique-se que a água não está fervendo ao colocar a tigela com o chocolate, pois o chocolate pode cozinhar.
Enquanto o chocolate e a manteiga estão derretendo, unte com manteiga uma forma de +/_ 18 cm e reserve.
Uma vez que o chocolate derreteu, retire a tigela da água fervente e misture o açúcar.
Em seguida, misture as gemas, uma de cada vez.
Por último, acrescente as raspas e Grand Marnier, se estiver usando.
Bata as claras com uma pitada de sal em picos firmes.
Misture delicadamente as claras batidas na massa de chocolate, começando com ⅓ de claras para diluir a massa e, em seguida, delicadamente, adicione o resto. Não mexa demais.
Despeje tudo na forma e asse por 25-30 minutos.
Uma vez assado, deixe-o descansar 5-10 minutos antes de servir.

Creme:

Para fazer o creme batido perfeito, certifique-se não apenas de usar creme de leite muito frio – direto da geladeira – como, se possível, esfriar a tigela antes de bater. Você pode colocá-la por 10 minutos no congelador.
Bata o creme com o açúcar até formar picos firmes.

Sirva o bolo com sorvete de baunilha e/ou creme batido e frutas vermelhas.

Nota 1: se servir com creme batido no topo, verifique se o bolo esfriou completamente, caso contrário, você vai acabar com um xarope.

Nota 2: se você quiser fazer o bolo um dia antes, eu sugiro que você embrulhe-o bem, mas não coloque na geladeira, pois vai afetar a textura.

 

Atualizando

• Pois é. Conforme dito, passei minha Semana Santa – o fim de semana prolongado, pelo menos – capinando. Arranquei mato pela raiz. Catei cocos, galhos, folhas e matinhos. Coloquei tudo na caçamba. Tudo muito tranquilo. Mas, depois disso:

cacambaIsso representa 1/3 dos meus problemas na casa

Minhas pernas estavam mortas. Tive cãimbra na parte posterior das coxas. Mal me mexia… Mas confesso que gostei. Eu tenho horror a academia ou caminhadas. Coisas mais sem propósito. Tá, eu sei, saúde. Mas preciso de mais do que isso para me mexer. Combinar atividade física com utilidade pessoal é um começo. Vou cuidar do jardim e do quintal, de agora em diante. E fiz isso a semana toda.

• Durante a arrumação do quintal, encontrei um ninho de galinha sob as folhas de um dos coqueiros. Quase matei a coitada tentando tirar as folhas. Mas a percebi a tempo e marido arrumou o “telhadinho” dela, novamente. Depois de tê-la descoberto, fiquei preocupada e ia visitá-la todos os dias para ver se estava bem.

Ontem, em meio às chuvas, fui procurar os gatos e a descobri, morta, num outro canto. Desconfiei do Will, que tem mania de perseguir as galinhas. Mas, felizmente, não foi ele, foi gambá. O ninho foi devassado, ela estava totalmente sem sangue. Que tristeza… Ela era bacana e iria ter muitos pintinhos, com os quais eu já sonhava – e perdia o sono. A natureza é bem cruel…

• Então, decidimos não ser mais tão amigos da natureza e vamos exterminar as aranhas do nosso jardim. São inúmeras, feias e, algumas, resolveram dar voltinhas dentro da casa. Já pegamos uma armadeira, há um tempo. Ontem, depois de horas e horas tentando cavar debaixo da geladeira, a Guapa pegou uma aranha de grama bem grandona, horrível! Aliás, a grama está repleta delas… Eu nunca tive medo de aranhas, mas tenho tido pavor. Temo pelos gatos… Temo por mim, que fiquei grudada na teia de uma aranha de teia dourada, na véspera do meu aniversário – e tive urticária. Tenso.

Sei que aranhas são úteis e tal, mas o medo é maior do que o que eu sei e o que elas representam.

• A Guapa é uma gata suicida. Brincando com aranha, subindo em árvore e não conseguindo descer ou se enroscando na cerca elétrica do vizinho, ela passou o fim de semana tentando me enlouquecer.

• Preciso emagrecer. Engordei tudo o que emagreci em 2010/2011. Alergias, estresse, irritação e, principalmente, comer muito e ser sedentária foram terríveis com minha aparência. Não é só gordurinhas, dei uma envelhecida cruel. Tenho dois meses para resolver isso. Dia 29/06 tem Feminino Plural e amo a festa. Quero estar lindona!!

• E por falar em comer muito, as pizzas e a parmegiana do Lódi e os sanduíches do Califórnia estão me ajudando a engordar! Há poucos bons lugares para se comer em Itaúna, mas estes dois são supimpas!!

E o Pinterest, aquele gordo, tem me feito fazer coisas tão gostosas que está duríssimo…

• E enquanto não consigo comprar os livros do Stephen King que ainda não li, resolvi ler outros autores. Anne Rice me agradou muito! Estou mergulhada nas Crônicas Vampirescas!