Memes internos

A Adriana nunca veio aqui, mesmo assim, eu havia prometido a ela fazer um post sobre os memes da agência, afinal, a maioria é coisa dela. Então, já que é tempo de Top10, vamos de Top10 – Memes Internos.

10. “A culpa é da Katienne!”, porque “Se a culpa é minha, eu a coloco em quem eu quiser”*

Esta pérola de sabedoria evitou muitas crises – de ego ferido.

*Homer Simpson

9. “Ai, me deixa!”; “Ai, supera!”; “Morre que passa” e “Cada um com seus problemas”.

Em junho, parecia que eu havia adotado uma adolescente, pois eu ouvia essas frases o tempo todo. Quanto aos “Ai, mimimi”, não pude fazer nada, senão deixar e superar. O “Morre que passa” foi abandonado após ameaça de denúncia por indução ao suicídio e “Cada um com seus problemas” foi substituído oficialmente por “O destino de um é partilhado por todos”, porque eu sou time Mestre dos Magos!

8. “Tá pensando que pipoca é fruta?”

Perfeito para ser usado quando alguém me pede algo absurdo. Ou seja, sempre.

7.  “Fulano é rainha,  Beltrano, princesinha”. “Fulano na veia, Beltrano na cadeia”

Tati Neves (quem?) já foi esquecida, mas graças a ela e Bieba, Xuxa fez, mais uma vez, história no Facebook/Twitter.

E eu que imaginei que nada superaria “VOCÊS NÃO MERECEM FALAR COMIGO NEM COM MEU ANJO”.

6. “Você não me serve”.

Serviu por muito tempo. Depois, acabou substituído por “isso não é Publicidade!!” #clientesqueamamosSQN

5. “Nooooooo!” Vader, Darth

Pressione em situações difíceis.

4. “Aixiiii…”

Contribuição valorosa da Katienne. Diz-se com tom de desprezo, virando os olhos, para qualquer bobagem que se ouve ou vê. Uso muito!

3. Sideshow Bob

Mês passado, tive a infeliz experiência de pisar num rastelo abandonado no galinheiro. Que dor!!! Depois de duas semanas, meu nariz começou a desinchar.

Para ilustrar o que havia me acontecido, usei este gif:

Sideshow_bobVirou hit!! Virou camiseta.

shirt_girls_01Camiseta da Threadless.

2. Chloe.

Uma porcaria de mãe criou essa obsessão entre as novinhas da agência. Queria até dividir com ela o fardo de pagar salários, já que minha criação passava horas fazendo montagens da Chloe

3491348_originalMontagem com a Chloe que catei na Internet.

1. “Esse povo pensa que o céu é perto.”

Esta frase foi nos brindada pela Adri Abreu, num comentário, aqui no blog, em abril de 2011. Como, para mim, é uma frase supimpa e polivalente, que já até foi homenageada, aqui, a trouxe de volta em 2013. Foi usada à exaustão. É, merecidamente, o Top – Meme Interno de 2013!

Implicância

Gatos são animais lindos, não importa raça. Para o convívio, eu, particularmente, prefiro os de pelos curtos, mais fácil de lidar, e vira-latas, menos propensos a doenças genéticas. Cor? Gosto de pretos, básicos, clássicos. Prefiro as fêmeas, que são menos peraltas, e pegar ainda filhote, porque filhote de gato é vida!

Mas, apesar da minha preferência, temos duas de pelo longo, dois machos e nenhum pretinho. Só a Pixie – e o Santa, se for ficar – chegou adulta. Isso aconteceu porque eu não escolho gato. Eu fico com os que me aparecem, os que me escolhem. Prefiro assim. Se vou bancar a dona, que seja a dona que eles escolheram ter. E a vida vai bem, obrigada.

As pessoas mais rasinhas escolhem gato pela aparência. Gatos têm, para elas, que ser lindos. Gato ostentação! Ok. Há outras que gostam de característica próprias de algumas raças, seja física ou comportamental. Ok, também. Desde que tratem direitinho, protegendo, amando, cuidando, castrando e não inventando de abandonar, a motivação da pessoa é o que menos me importa.

Pessoas têm suas preferências, fazer o quê? Sei que em São Paulo, pelo menos, na ONG Adote Um Gatinho, os pretinhos são preteridos. No Rio, na 4Patinhas, são os frajolas – gatos preto e branco – que ficam para trás. São muito comuns… Em Itaúna, se não tiver raça – ou, pelo menos, “cara de raça” – , difícil encontrar quem queira… Mas, em qualquer lugar, coloque um persa ou sialata – siamês vira-lata – ou uma gata toda amarela – raríssima – ou um gato todo branco com olhos azuis para adoção para ver se não dá briga entre pretendentes. Dá.

Por isso tudo que acho esta campanha, que tem rolado há um tempo, imbecil:

1510941_1443470052531477_1995130674_n

Na minha opinião, ela não faz nada além de confirmar o preconceito, afinal, pessoas são escolhidas ou preteridas pela cor de cabelo e/ou pele o tempo todo.

Sinta-se totalmente confortável em discordar de mim, principalmente – mas não exclusivamente – se seu coração se encheu de amor e você decidiu, agora mesmo, que quer um gato escaminha para todo o sempre. E, Sávio, se por causa deste post você decidir namorar uma ruiva, lhe perdoarei por tudo o que você me disse na 8ª série!

E para quem não sabe, gato escaminha são esses de pelagem mesclada, geralmente preta e marrom. Minha avó chamaria de “pano queimado”. A Pixie, minha gata feiosa, é mescla de tigrado com escaminha, ou seja, ela mistura estampas. Há quem ache a Pixie linda, há quem ache escaminhas lindos. Mas, para a maioria, é um gato comum e/ou esquisito. Não é, definitivamente, uma padronagem popular.

Eu continuo achando que tanto faz a pelagem. Mas, se as escaminhas são as mais rejeitadas da vida, que tal promover a excentricidade, a diferença, a exclusividade – já que os padrões dificilmente se repetirão -, o quanto você é mais bonito ao lado de uma gato feio, o quanto você é mais legal por tê-lo escolhido, sei lá, qualquer psicologismo mais eficiente do que comparar o pobre do gato a uma ruiva.

Há de enlouquecer-se

Imagina o desespero: a última vez que você viu seu gato, foi às 7:30 da manhã. Ele saiu pela sua janela e nunca mais voltou. Tudo bem. Nunca mais é muito tempo. Mas eram 20h e estava armando uma tempestade de filme “Poltergeist”. Pipocavam um sem número de trovões. Sem tempo de manifestarem-se individualmente, eles rugiam todos juntos. Era tal qual estar dentro de um avião, só que com muito vento e chuva.

Meu bisa costumava falar que “muito peido é sinal de pouca bosta” e tentei acreditar, já que era muito “peido” de verdade. Mas quando veio a “bosta”!… Foi muita!

E nada de Will.

Ele devia estar na laje, sob o telhado da casa. Só pode. Não tem como ele sair da casa. Os stray cats que entram aqui, passam por arame de contenção para muro – aquela porcaria enrolada, cheio de navalhinha – e cercas elétricas dos amados vizinhos. Meu gato é de casa, mimado, não passa por isso, porque não precisa. Mas nada me impediu de surtar. Quero dizer, quase nada.

Numa última tentativa, abri a porta da frente e fui procurá-lo no jardim. Vai que. Nisso, entra um gato. Não qualquer gato, mas um gato que andava visitando meu quarto, desde o Natal. Quando fechei a porta, lá estava ele, na sala.

IMG_0510Manhã de Natal e Santa cheirando as toalhas que iam ser lavadas. Em primeiro plano, Pudim!

Pus comida, água e caixa de areia para o sacudo e tentei firmar amizade. Ele comeu, usou a caixa, mas não quis saber de mim. Tá lá, na sala, agora mesmo, dormindo dentro do sofá, depois de ter passado a noite destruindo as persianas…

persianas

E foi quando eu ia indo levar a caixa de areia pro Santa – como ele chegou pela primeira vez no natal, com um saco gigante, o apelidei de Santa Claws, ou Papai Garras! – que vi Will, do lado de fora da janela, totalmente molhado. Abri e ele entrou, como se estivesse tudo supernormal. Fanfarrão!

A chuva passou, transpôs o asfalto da rua para meu passeio, arrancou galhos das árvores, não matou minhas galinhas e trouxe mais um amiguinho. Sim, este vaga-lume!

IMG_0547 Me falta uma macro boa e talento, eu sei, mas eu não sou fotógrafa e não preciso!!

E enquanto tudo isso acontecia, a Panqueca estava fechada no quarto de roupas. Ninguém se lembrou dela e ela passou a noite lá…

panqueca

Encerrando 2013 – Parte II

TOP-Pi 10 | O PIOR DE 2013:

1. Morte. Morreu gente que eu amava; morreu gente que eu admirava e morreram muitos gatinhos que eu acompanhava… Mas vaso ruim continua inquebrável.

2. Futebol – incluem-se: Copa, torcidas, times, jogadores, tapetão.

3. Patifaria generalizada. Em uma palavra: Brasil.

4. A mesma pindaíba de sempre.

5. Trabalhar com publicidade:

6. Enxaquecas. Por quê? :-(

7. Vizinhos. O de sempre e cada vez mais: barulho, sujeira, desrespeito e até veneno no meu abacateiro!

8. Serviços básicos: Internet rápida mais lenta e cara do mundo, serviço autônomo de água e esgoto que manda água suja e com pressão variável – quando manda – e luz que desliga quando menos pode e, quando volta, destrói tudo. As mazelas da vida no interior…

9. Self e outras manias chatas.

10. Visitas indesejadas: pernilongos, cobras, aranhas, hordas de pombos piolhentos e de micos pulguentos. Tenho horror a micos. Tenho horror a pulgas. Como seres tão pequenos conseguem ser tão incômodos e indestrutíveis?

Encerrando 2013

Todo ano, nesta época, eu faço os Top-Pi. Este ano, só por tradição autoimposta, teremos, também… Bora lá.

TOP-Pi 10 | O MELHOR DE 2013:

1. Nikita Cristina: chegou há duas semanas roubando corações. Ela é feiosa, fedorenta, carente, late agudo – e muito -, mas fez a vida do Toro tão mais feliz! Só por isso, já é a melhor do ano!

2. Amizades: antigas e novas, virtuais e reais – vocês são cada vez em maior número! Estou me sentindo sociável! E sinto que existe uma boa parte da humanidade que ainda vale a pena.

3. FIQ! Se ano passado foram: “tirinhas hilárias – preciso delas para viver. E cada vez mais!”, este ano foram os autores das tirinhas e seus livrinhos. São pessoas lindas com trabalhos lindos! Amei conhecê-los e descobrir que são “real deal”.

4. Vegetarianismo. Mesmo manco, me fez muito bem. E melhor.

5. Trabalho voluntário. Não sei desde quando admiro a 4Patinhas. Nem sei como a conheci, mas é a ONG que eu mais procuro ajudar, porque eu acredito piamente. Sim, eu sei, pessoas tendem a falhar. Mas como disse meu amigo Estevão Ribeiro, “errar é complicado, mas quem pode nos culpar por algo tão genuinamente humano, né?” Né?! Eles fazem o melhor que podem e ajudam muito a muitos! Este ano, comecei a fazer trabalho pro bono para eles e me sinto muito feliz com isso! Queria poder fazer mais.

6. Stephen King continua sendo o dono do meu coração. Amei ler velharias e amei ler livros novos. Mostra que ele ainda tem muita estrada para rodar! Tentei Anne Rice, tentei Agatha Christie, estou tentando Isaac Asimov, mas o Stephen é King.

7. Ideias! Elas não param de chegar! Se eu tiver tempo/boa vontade, pô-las-ei em prática, em 2014!

8. Mobilização popular. Pode ter sido fogo de palha, mas me acalentou o coração. Por alguns instantes, eu acreditei…

9. Facebook. Eu, de verdade, detesto o Facebook. É um troço muito do chato, bagunçado e cheio de regrinhas e pessoas tolas, mas… Todo mundo tá lá e, no meio de muita bobagem, tem gente boa. Encontrei God, uma pessoa que, se não for boa, mente muito bem. Encontrei Awkward Moments Childeren’s Bible, que me diverte muito. Entrei em grupos de loucos por gatos, porque é bom ter companhia nas neuroses.

10. Livramo-nos do mal. Amém!

 nikitaNikita, Chispita, Pequetita, Chiquita, Chiquitita. Princesinha da casa!

A Ceia

Há “milianos”, escrevi um “conto de natal” para um amigo vegetariano-chato! Sim, destes que passam por açougues gritando “assassinos!”. E ele odiou meu conto, disse que passei dos limites. Pode ser. Mas, vendo esta imagem, hoje, numa página de vegetarianos, me lembrei do conto. Deixo para você descobrir se passei de algum limite!

papeis-invertidos

A Ceia

 

Os primeiros raios de sol saudavam o novo dia. Amanhecia na fazenda do Nhô Lau.

Um silêncio suspeito pairava no ar; o galo não cantou, o bebê não chorou. “Sorte”, pensou Lau, “hoje levanto mais tarde”. Infelizmente, Lau levantou-se tarde demais.

“AHHH!!!”, gritou a negra Naná do quarto do bebê. Ele não estava no berço. Logo descobriu-se que nem em lugar algum da casa.

“AHHH!!!”, gritou Tiãozinho do celeiro. Os bichos haviam sumido. Não restou umzinho sequer para contar estória.

Estava explicado, assim, tamanho silêncio naquela manhã. Mas como explicar esses sumiços? O que teria acontecido durante a noite?

Algo estranho e sinistro, definitivamente. Os bichos da fazenda haviam se reunido no celeiro assim que todos na casa foram dormir. Mais um Natal se aproximava e Porco e Peru conseguiam prever o futuro trágico. Mas, se tudo desse certo, este ano seria diferente.

Convocaram a reunião já tendo em mente exatamente o que fazer. Só precisariam da ajuda dos outros bichos.

Na tentativa de evitar a ceia de Natal com leitão à pururuca e peru assado, as futuras vítimas decidiram sequestrar o bebê de Nhô Lau e Rosana para tentar um acordo.

E assim foi feito. Lalauzinho fora levado de seu quarto para uma gruta nos arredores da fazenda. Com ele, foi toda a criação de Nhô Lau. Os bichos se ajeitaram e acomodaram a criança, mas estavam ansiosos pelo fim do sequestro para, enfim, poderem voltar para o aconchego de seus lares.

Porco e Peru voltaram à casa no cair da tarde para a negociação. Mas algo saiu errado; nem Nhô Lau ou Rosana, nem Naná ou Tiãozinho conseguiram entender o sequestro e seu objetivo. Ninguém ali falava a língua dos bichos. Os bichos não falavam a língua dos homens. E estes, famintos e cansados de chorar e de procurar por Lalauzinho, resolveram comer um dos sequestradores no jantar. Prenderam o outro, para não fugir de novo.

Sem notícias, os outros bichos foram voltando à fazenda para ver o que havia acontecido. Quando descobriram o trágico destino do Peru e do Porco, o do Peru ainda mais trágico do que o do Porco, houve revolta geral.

Para a alegria da família, decidiram devolver Lalauzinho. Vingança é um prato que se come frio, é o que dizem. A dos bichos seria comida na ceia.

Véspera de Natal, Naná se preparava para o sacrifício do Porco, quando… “AHHH!!!”, gritou Rosana do quarto. Lalauzinho sumira de novo. Os bichos, também. Inclusive o Porco, resgatado por eles.

Desesperados, Nhô Lau e Rosana não quiseram saber de ceia. Este ano não haveria a comemoração do Natal a menos que Lalauzinho aparecesse.

E Lalauzinho apareceu. E houve uma bela ceia. Preparada pelos amigos do Peru. Mas nem Nhô Lau nem Rosana, nem Naná nem Tiãozinho a quiseram comer… No centro da mesa, Lalauzinho, já frio, mais que pronto para ser servido.

Moral da estória: não coma o filho de alguém. Tenha um Natal vegetariano.

P.S.: sou vegetariana, mas acredito no livre arbítrio. Seria lindo se o mundo me acompanhasse, mas não exijo, aliás, não peço isso a ninguém. “Cada um com seu cada um” é meu lema.

Povo Estranho II

Em BH, na Rua Fernandes Tourinho, 455, para ser mais exata, há um restaurante chinês – Dragon Center -, de chineses, que serve a melhor comida chinesa que já comi na vida. O preço é bom, a variedade é enorme e o ambiente é ok.

Eu costumava passar uma tarde ou outra, lá, comendo muito! Muito! E acaba aí minha simpatia pela China.

Não, eu não conheço a China. George Michael, na época do Wham!, foi e não gostou. George Michael não é meu formador de opinião, mas, nisto, confio nele.

É que a China… Tem chineses… E chineses… Eu sei que é puro preconceito. Generalização grosseira, mesmo, mas…

Como confiar num povo que falsifica ovo?! Como compreender pessoas que dão, acidentalmente (?), descarga em bebêsArrancam olhos de sobrinhos? Escravizam? Falsificam reflorestamento? Se matam a torto e a direito?

Eu sei que são mais de 1,3 bilhão de pessoas e, apesar de bizarros, são casos isolados e não, necessariamente, representam todo um povo, mas… A China lidera o ranking de mortes por exaustão no mundo. O número de vítimas de ataques cardíacos e AVC provocados pelo estresse de trabalho é de 600 mil por ano! E eles comem cachorro!!!

Não estou dizendo que o Brasil – e o brasileiro – não tenha suas estranhezas. Estou somente sentando no rabo e falando do rabo alheio.

P.S.: havia me esquecido desta falsificação sensacional: leão!!

Pimentas 2013

“vamo lançar um outdoor em frente o Rena” (sic)

Estou aguardando ansiosamente desde janeiro…

“Vamos botar pra quebrar SORTE, DINHEIRO, SAÚDE PRA TODSOS NÓS” (sic)

Eu espero que, pelo menos, se tenha tido muita saúde. De resto, down hill total, hein?!

“2013 a gente vai detonar!!”

Se a proposta era detonar “o filme”, estão todos de parabéns!

“nossa 2013 o mário ja falou q quem vai ser destaque fomos nós” (sic)

Pelo visto, Mário falou, mas não cumpriu. Deu Rara!

“kkkkkkk”

Cara, o ano nem acabou, mas me arrisco a dizer que ninguém “kkkkkkk” melhor do que eu este ano!!! kkkkkkk

Dúvida do momento

Me ajude, por favor. Eu quero saber:

1. As pessoas estão mais imbecis?

2. As pessoas sempre foram imbecis e as redes sociais são apenas o meio de expressão da imbecilidade?

3. As redes sociais fizeram a imbecilidade latente se manifestar?

Eu meio que era contra rotular as outras pessoas de imbecis, porque é feio e dá um arzinho arrogante em quem aponta – o que é mais feio ainda. Mas tem sido difícil fazer bonito…

rickA ignorância pode ser uma alegria para o ignorante, mas para o resto de nós, é uma merda!