Amigo culto

Minha turma da oitava série é minha atual turma de sair e falar bobagens. No começo do ano, resolveu-se fazer um tal de “amigo culto”, onde se trocam presentes não materiais. Minha “amiga culta” ganhou uma estorinha. Ei-la.

Opostos

Ele é Armando. Eu sou Zaíra,

Ele havia levado um fora e amargava uma tremenda dor de cotovelo. Eu havia levado um fora e comemorava a liberdade recém-adquirida.

Ele chorava por ela. Eu curtia a vida. Ele sofria. Eu sorria.

E assim estávamos quando nos conhecemos: eu, me esbaldando no abre alas. Ele, tentando consertar o último carro alegórico, empacado na avenida. A Escola do coração não ficou com o título, mas me arrisco a afirmar que este foi o carnaval das nossas vidas.

Armando chegou ao final da Sapucaí aos prantos, exausto, derrotado. O contraste com minha alegria de “sonho realizado” era enorme e, talvez por isso, eu gostei dele.

A autoindulgência de Armando era irritante. Nenhum homem é tão coitado assim. Bem… Ele parecia ser. Mas, de alguma forma, essa existência meio trágica, meio patética dava um toquezinho de graça a ele, tinha seu charme.

Ou… Era carnaval e pierrôs, colombinas e arlequins apaixonados tinham tudo a ver com o cenário. Enfim, o importante é que eu o beijei como havia muito tempo eu não beijava alguém. Beijei com vontade, sugando todo aquele veneno que corroía o coração de Armando. E, quando finalmente nos afastamos, ele era outro! Eu, também.

Armando já não tinha ares de pierrô abandonado. Havia um novo brilho em seus olhos. Pude ver, então, que era um homem bonito. Não bonito demais, mas na medida. Já eu sentia uma doce melancolia dentro do peito. Uma saudade do futuro, daquilo que nós não viveríamos, porque, em breve, a vida voltaria ao normal e eu, à Minas.

Foram dias intensos. Armando descobriu que “amor” e “dor” é rima pobre. Eu descobri que nem tudo é “tanto faz”. Nossa história durou uma eternidade… Ou quatro dias. Mudou as trajetórias das nossas vidas e nos ensinou a sermos mais leves, mais inteiros, mais vivos.

Voltei para Minas. Armando ficou no Rio. Não trocamos contatos. Não me arrependo. Foi lindo, será inesquecível.

E é assim que estamos: ele ainda é Armando, eu ainda sou Zaíra – versões aprimoradas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *