Gente estúpida. Gente hipócrita.

Em julho, um agente da zoonoses veio a minha casa. Houve denúncia anônima de que, por eu ter gatos, galinhas e cães, havia infestação de ratos na casa do vizinho. Não tem na minha. Se ele tem ratos em casa, bem…, ele deveria tentar criar gatos, cães ou galinhas.

O agente não encontrou nenhum problema e lá se foi.

Vizinho quietou? Não. Chamou o pessoal da dengue. A denúncia, agora, era de foco de mosquito, aqui. Veio a mulherzinha da dengue e implicou com as vasilhas d’água. Tem pra tudo que é canto. Tem para gatos, gatos de rua, cães, sapos, micos e galinhas. Troco água de todas duas vezes ao dia – não desperdiço água, jogo para as árvores. Dengue instantânea ainda não ouvi falar. E quer saber de algo estranho? Achei que ela implicaria com o vaso de orquídea e com as bromélias – como todo povo da dengue implica – que estavam, sim, cheias d’água, mas, não. Nem tchum. Veio com o propósito claro de achar defeito nas coisas dos bichos.

As denúncias acontecem regularmente desde 2013. Sujeira? Tem folha seca. Estamos no fim de um inverno ultra seco. Tenho árvores. Folhas caem. Flores, também. O chão está cheio de flor de ipê. Cocô de galinha? Vira adubo para a compostagem e horta, assim como as frutas que caem. E cocô de cachorro? Tem, mesmo. Eles defecam. Numa caixa cheia de areia, que o jardineiro limpa, quando vem. Fica sequinho, ainda mais com esse tempo, não dá mosquito e não fede na casa de ninguém.

10534269_761647363894737_1884098229776039708_n

Ipê do marido

Tem uns cocos e folhas de coqueiro que caíram na última ventania. A gente ia pedir uma caçamba para eu recolher tudo isso, mas, depois de mais uma denúncia, achei melhor, não. Caçamba custa R$ 120,00. Colocar folha seca num tambor e colocar fogo, como os vizinhos fazem, é de grátis! E incomoda!!

Não tem mato. Nem sequer grama. As galinhas não permitem.

Fico pensando… Se a sujeira propriamente dita não existe - a não ser quando um dos vizinhos produz e joga aqui -, será o quê que incomoda tanto?

nojoCanal de águas pluviais que meu adorável vizinho (#SQN) usou para escoar o esgoto dele, que estourou. Escoou cal e areia da construção, também, para o meu quintal. Um darling.

Barulho? A Nikita é meio pinscher e late um bocado. Incomoda? Sim. Mais do que os netos da vizinha berrando o dia inteiro? Não, mesmo! Mais do que os cães dos outros vizinhos? Não. Menos. O Toro é quase mudo.

Galinhas? Elas são um saco e fazem bastante barulho durante o dia. Mas o SAAE, que tem mexido na rua, faz mais. Os jardineiros da praça e do vizinho biliardário, também. O vizinho babacão que liga e desliga o alarme o dia todo é bem pior do que quaisquer galinhas. Aliás, esse faz festa todo final de semana e não se importa com decibéis ou respeito. Os netos da outra? Gritam e/ou choram bagarai. O cão da casa do lado? Late histericamente! E ainda tem os caras que andam de skate na praça e a turma que ensaia batucada toda quarta-feira até as 22h. A festa que está rolando na cidade incomodou mais de 100 pessoas que ligaram para a polícia antes das 2h da manhã de hoje. Barulho é o que não falta.

Os gatos invadem as casas da vizinhança? Não, apesar das insinuações. A Panks subia no telhado da vizinha, mas demos um jeito nisso. Ninguém mais tem subido. Mas há outros gatos por aqui. Tem o Cy velho de guerra; tem uma escaminha linda que encontrei dormindo na folhas secas e que não quis ser minha amiga; o irmão louro dela, que também me esnobou. Tem o Panqueco, um gatão peludo, que andou frequentando a casa. E mais um punhado de outros. São meus? Não. Sou responsável por eles? Também, não. “Infelizmente” para as duas perguntas/respostas.

Realmente não entendo. O quintal da casa é tão agradável, que recebo visitas das mais variadas. Sapos vêm se abrigar aqui. Gatos dormem e comem na minha área de serviço. Maritaquinhas, corujas, gaviões e um bom punhado de outras aves passam por aqui todos os dias, mesmo tendo um parque florestal logo em frente. Os micos dividem conosco frutas e ovos. É um lugar acolhedor. Seria mais se não tivesse tanta gente estúpida e hipócrita ao redor.

fcc430a62e9a3b24fc9c104c8140af20E eu fico com a pureza da resposta do Seu Micks:b257974402e427aa0cc4a033b9c75fc2

Quero voltar pra casa

Em setembro, faz 8 anos que saí de Belo Horizonte.

Na época, a cidade estava caótica. O trânsito não fluía, os ônibus viviam lotados em qualquer hora do dia, a violência e a sujeira aumentavam. Se não bastasse, eu detestava meu emprego e meu namorado - atual marido – estava com Síndrome do Pânico, o que piorava tudo. Quando ele decidiu que vir para Itaúna seria o melhor para ele e quis que eu viesse junto, topei sem nem pensar.

Eu deveria ter pensado. Ter mais de 30 e ainda viver na casa dos pais – no meu caso, da avó – não é legal. É cômodo, é barato, é prático, é gostoso, mas não é “adulto”. E a tentativa de me tornar adulta, na verdade, foi o que mais me encantou. E me ferrou.

Não porque eu não goste de Itaúna – e realmente não gosto, por N motivos. Não gostar da cidade em que se mora não ferra ninguém. Mas os N motivos ferram e, faz tempo, eu me arrependo amargamente de ter vindo parar aqui. E piora: eu, simplesmente, não consigo sair daqui, nem a passeio.

Ter 8 gatos e não ter plena segurança para eles, me prende à casa. Não tenho mais alguém de confiança para olhá-los se eu tiver que me ausentar. Então, não me ausento. E não dá para carregá-los debaixo do braço nas inúmeras horas que me bate a vontade de bater em retirada. Não tenho para onde levar nem sequer os 4 que são exclusivamente meus. Não tenho grana nem pro caminhão de mudança.

É fato, a cidade me empobreceu. Em termos de dinheiro, nunca vi tanta desvalorização do meu trabalho e tanto calote, tanta má vontade em pagar. As pessoas ficam furiosas por receber notas fiscais – o que, diga-se de passagem, a Lei exige quando se presta um serviço – como se elas representassem um dedo na cara acusando uma dívida. Teve um cara de pau que nos respondeu com: “quer receber? Arrume um advogado. Só se lembre que EU sou advogado e, pra mim, sai de graça”. E essa criatura tem a pachorra de me cumprimentar e querer dar 3 beijinhos toda vez que a gente se encontra nessa cidade minúscula. A cara não queima. As caras não queimam.

Hoje, eu tenho MUITO menos dinheiro do que eu tinha há 8 anos, trabalhando numa loja e odiando cada segundo. Hoje, eu odeio mais meu trabalho do que quando trabalhava sábados e feriados atendendo pessoas que queriam meu projeto, mas não queriam os “nossos” móveis. E olha que a agência emenda feriados e até permite cerveja nas sextas, durante o almoço da “firma”. E não está melhor. Os sapos da loja – e olha que uma cliente chegou bêbada, certa vez, e me unhou, porque eu não teria lhe dado atenção – eram pequetitinhos perto dos cururus diários. A internet me contou que isso é mal da profissão, mas, aqui, estou engessada nela. Não posso reagir, não posso sair da “firma”, porque a “firma” é minha…

O custo de vida é alto. Supermercado e varejão são “pela hora da morte”. Ração e areia de gato, tenho que importar de outras cidades. Frete bem mais caro e sem Sedex 10, por ser interior. Qualidade de vida, que todo mundo falava, não tem. A cidade é feia e suja, a água é suja, a barulheira é generalizada, não tem prefeito de verdade há anos, não tem polícia, mas tem bandido à beça. Não tem pra onde ir ou o que fazer. As pessoas se suicidam aqui com muita frequência. E tem gente tão fútil e à toa que, diante disso tudo,  fica reparando as unhas dos outros – e eu não faço unhas, mais!

Queria estar em BH. Queria ter passado meus dois últimos aniversários no colo da minha avó, em vez de sozinha. Queria ter ido no Pai de Santo que planejo desde março. Queria ter me despedido da minha babá, que morreu sem saber o quanto eu a amava. Queria ter abraçado o meu pai quando meu irmão-cão teve que ser sacrificado. Queria conviver com meu meio-irmão. Queria ir às festas de família. Queria ter ido ao Espaço Veg e almoçado no Las Vegans antes de fecharem – o Las Vegans jura que reabre. Queria estar no teatro, agora mesmo.

Quero ter quem me ama e me tolera por perto. Quero minhas amigas! Eu nem tenho mais amigas…

Vá ao teatro – e me convide!

Depois de “180 Dias de Inverno”, tive que assistir a “#140 ou Vão”, também da Companhia Afeta. Uma era drama, pesada, densa, linda. A outra, comédia, leve, inteligente, linda.

180-Dias-de-Inverno-book---Cia-Afeta-3140-ou-vao“180 Dias de Inverno” e “#140 ou Vão” (Foto: Samuel Mendes), respectivamente.

Ontem, assistimos a uma peça da Catanduva, SP. O teatro Silvio de Matos, de Itaúna, ajudou a compor o cenário de guerra, mas não contribuiu com a peça, já fraquinha. A voz de Chiquinha da atriz era irritante, mas não foi perda de tempo, de toda forma.

Eu perdi, sim, – e vou lamentar todos os dias por isso até conseguir assisti-la – “Aldebaran”, do Grupo Oficcina Multimédia que, por fotos, me convenceu ser uma peça belíssima. Amigos que foram disseram ser “inacreditável”, “de outro mundo”, “linda”! Frustração me acompanha…

aldebaran

Os grupos mineiros brilharam neste festivalque termina hoje.- Atrevo-me a dizer, sem um pingo de bairrismo, pura justiça, que obliteraram os convidados de fora.

Fui a poucas peças, mas, em se considerando que há uns dias eu sequer gostava de teatro – o melhor do preconceito é perdê-lo – e ainda detesto sair de casa – ainda mais no frio e na chuva – fiz minha parte e, para o meu próprio bem, me apaixonei. Ano que vem, como dizem os mineiros, “tô agarrada” no festival!

“180 Dias de Inverno”, da Companhia Afeta
“180 Dias de Inverno”, da Companhia Afeta
“180 Dias de Inverno”, da Companhia Afeta
“180 Dias de Inverno”, da Companhia Afeta

Vida

Quinta foi a abertura do 6º Festival Nacional de Teatro de Itaúna. Ralo um bocado fazendo o material de divulgação, então, tenho xodó pelo evento, mesmo eu não sendo muito fã de teatro…

A peça da estreia foi “Na Comédia de Edgar, Alan Põe o Bico”, do Grupo P’Atuá. Tendo achado o título meio bobão e não gostando de teatro, estava com preguiça de ir, mas fui. Para você ver como são os preconceitos… A peça foi sensacional! Divertida e inteligente. Cláudio Márcio e Glicério do Rosário são engraçados na medida, sem forçar. Gostei tanto, que vou assistir a mais uma, amanhã: “180 Dias de Inverno”, da Companhia Afeta.

Quase nada, quase nunca, acontece em Itaúna e, quando acontece, galera não dá muito valor. Quem mora em interior assim, paradão, que nem um cineminha tem, tem mais é que apreciar bem as novidades, as maravilhosas quebras de rotina.

Depois da peça, teve coquetel – ser vegetariana é tenso nessas horas – e beberiquei um espumante enquanto aguardava ansiosa e faminta o momento de ir ao Sandoval.

Sandoval é o único estabelecimento comercial – um botecão – 24 horas da cidade. Clássico, frequentado por todo tipo de gente. Todo mesmo! Lá é servido um PF maravilhoso, temperado com esmero – estou salivando só de escrever…- Por mim, almoçava e jantava lá, todo santo dia!

No sábado, fui tomar caldo de abóbora na casa da Bianca. A mãe dela fez sem carne, para mim! Delícia! Noite divertida, família divertida! Tudo muito bom!

Domingo, fui a um rodízio de japa em Mateus Leme - cidade entre Itaúna e BH -. Eu não como japa, então, belisquei um tempura de vegetais e tomei sake com abacaxi e gengibre.

Ontem, quis fazer happy hour numa cafeteria/bistrô que já existe há uns dois anos e na qual eu nunca tinha ido, a Alfajor. Eu estava com vontade de bolinho e café, mas acabei tomando suco de amora + uva e comendo de tudo - sem carne -. Tudo muito bom!

Amanhã, como eu já disse, tem mais teatro. Depois da peça, caldo. Quinta, inauguração de uma empresa de cliente. Domingo, provavelmente, mais japa - vou de Yakisoba de vegetais, desta vez. 

O que? Virei uma pessoal sociável?! Nunca!! Meu problema é que moro numa casa gigante, cheia de gatos e sem faxineira. Estou fugindo daqui a qualquer custo, porque, se eu ficar, vou ter que faxinar… Pena que não dá para escapar para sempre…

 

Mundo animal

Quanto mais eu rezo, mais assombração me aparece… Dos 21 pintinhos que nasceram no fim do ano passado, restaram 6. Como eu decidi deixar a Natureza seguir seu curso, não fiquei resgatando pintos, aquecendo em lâmpadas, dando comidinha especial para eles. Parti para o viver e deixar morrer. Pois morreram aos montes. No fim das contas, lá estava eu resgatando de chuva e levando pra lâmpada para que não morressem todos.

Os sobreviventes estão mais fracos e menores do que deveriam estar. Não me culpo, culpo as mães, que fazem tudo errado. Nem sei como galinhas sobreviveram ao longo dos tempos com tão pouco instinto de proteção aos pequenos. Elas querem confusão, briga e comida. Amor e cuidados? Nhé…

Resolvi não deixar mais ninguém chocar, enquanto não colocasse ordem no galinheiro. Pois uma maldita garnisé conseguiu escapar da minha vigilância e chocou. Não sei onde. Só sei que nasceram 11 – ou sobreviveram 11. Estão todos na quadra, cercados de gatos e cães, pipiando e ficando pra trás… Não vou me meter. Juro.

IMG_0672

Principalmente, porque, além do Anti-Cristo, estou com problemas com o Toro, desde 6 de janeiro. Uma simples bicheira se tornou um pesadelo. Ele ficou internado por um mês. Teve pneumonia, anemia e está na capa. Voltou pra casa há quase um mês e, desde então, está sob cuidados intensivos. E nada de ficar mais forte.

IMG_0655

IMG_0674Puro Osso

E, para piorar a situação, não se encontra mais ração de gatos em Itaúna. O Will tem alergia à Whiskas – com o pacote de 3kg custando R$ 40,00, eu também tenho. O Pudim não pode comer Friskies. A Gran Plus, da Guabi, que era a que satisfazia a todos, não é mais vendida na cidade. Estou tendo que pagar R$ 27,00 só de frete por pacote de 10kg de ração. Dá para meio mês… Estou comprando na Meu Amigo Pet. São atenciosos e o preço está muito bom. Com o frete salgado ainda sai mais barato do que quando comprava aqui na cidade. Mas como nem tudo são flores - senão, não seria mais um problema – se o Correio atrasa, eu fico sem ração pros pimpolhos… Aconteceu este mês.

O Meu Amigo Pet foi uma maravilhosa dica da Bia!

Ah! O carcinoma da Gasolina regrediu e ela está 100%. Mas fica a dica: filtro solar nas orelhas e narizes brancos! A Pet Society tem um específico para pets. Vale o investimento/trabalheira, porque se cuidar da bicharada saudável já era caro/dureza, quando alguém adoece, eu quase morro.

Hipocrisia

Todo mundo é alegre e contente enquanto acha que está dando as cartas. Todo mundo está supersatisfeito enquanto não tem que assumir as consequências. Todos os outros são insuportáveis e dispensáveis, enquanto não se está perdendo dinheiro. O trabalho é chato, o salário é pouco, mas se pode-se chegar atrasado ou faltar quando bem entende, tá valendo. Todo chefe é bacana até que impõe limites para o excesso de liberdade. Toda chefe é joia enquanto faz vista grossa para a arrogância e incompetência. Todo dedo na cara é válido, desde que não seja na minha. Todo mundo é honesto até que é pego em flagrante. Toda hipocrisia é inocência, toda a culpa é do outro. Mas toda m*rda fede, não importa de quem seja.

Que espécie de caráter é esse que tem-se construído? Que mundo é este no qual temos vivido? Tem hora que cansa nadar contra a correnteza. E eu lhe digo, eu posso ser má. Eu posso ser péssima. E eu posso até gostar.

Que sorte que eu tenho bichos em casa.

Microcosmo

Há um pombo doente no meu quintal. Não o quero aqui, mas não consegui convencê-lo disso. Ele saiu da minha casa, pela porta da frente, mas entrou novamente. É um belo lugar para um pombo doente: tem abrigo, tem comida e um monte de gatos com calor demais para caçar pombo.

Há um punhado de pintinhos novos pela casa. O Toro resolveu não comer os que nasceram do lado dele. A mesma galinha que resgatei em setembro, mal criou os sobreviventes e voltou a viver perigosamente. Foi chocar quase que no mesmo lugar. Nasceram ontem e, ontem, contei 7. São 5, hoje. Ok. Ela é péssima mãe. Dos 11 que salvei, vivem 5, e só porque os continuei salvando.

galinha-louca

Em outra parte da casa, uma galinha roubou o ninho da outra. A roubada, inconformada, ficou por perto, possivelmente para avacalhar. Nasceram dois e fui colocar comida pros pequenos; ela me atacou. Consegui desviar – já sou craque, nisso -, mas fiquei furiosa. Principalmente, porque ela fez tanto estardalhaço, que a outra galinha, a mãe de fato – os ovos eram dela – , saiu do ninho e largou os pintinhos, novinhos, indefesos. A louca ficou atirando os ovos que ainda estavam por chocar, pra fora. Haja saco. Toquei a galinha, sem nenhum jeitinho, e pus os ovos pra dentro. Esperei a mãe voltar. Pus comida.

Cheguei lá, agora, para ver se estavam bem. Não. Nasceram mais dois, mas um deles estava fora do ninho, muito machucado, sujo, gelado. Achei que estivesse morto, mas ainda não. Agorinha mesmo, digito com um só mão, para que a outra aqueça o pobrezinho. Não sei se vai sobreviver, mas não quero que morra se sentindo abandonado. Sou destas.

E sou do tipo que marcou bem a sem-vergonha. Ela vai morrer.

Os pernilongos estão se divertindo às custas do meu sangue.

A Gasolina está com uma ferida enorme no nariz, que o veterinário disse ser câncer. “Tem certeza?”. “Não”. Então, por que me apavorar?! Quarta, vamos fazer o exame. Até o resultado, eu morro um pouquinho todo dia…

O Toro está com berne e não sei lidar com isso.

Pudim está gagá, andando prum lado e pro outro, sem rumo, miando, dia e noite.

Will sumindo, todo santo dia.

Tudo isso parece uma bobagem tão grande, né?! Mas pesa. Ainda mais quando se resolve andar na esteira e se liga a TV. 15 minutos. Desliguei as duas. Ver crianças morrendo queimadas em ônibus me deixou muito mal.

É uma tremenda maldade ser largado neste mundo sem sequer um manual de funcionamento. Se eu tivesse pelo menos uma pista, uma ideia dos porquês, do sentido disso tudo, talvez fosse mais fácil passar pelas etapas. Andar às cegas, supondo sempre, é o que me apavora. Morrer faz parte. Detesto, mas de que isso adianta?… Viver, até as pequenas coisinhas, é que complicado…

Atualização (08/01): o Toro estava com mais de 200 larvas comendo a perna dele. Ele não chora, ele não reclama, eu não presto atenção… O pombo doente foi comido pelas galinhas. Sobraram só as asas. O pintinho não sobreviveu e acho que a culpa foi minha… A taxa de “agiotagem” para conseguir o exame da Gasolina antes de 15 dias é de R$ 70,00.

Memes internos

A Adriana nunca veio aqui, mesmo assim, eu havia prometido a ela fazer um post sobre os memes da agência, afinal, a maioria é coisa dela. Então, já que é tempo de Top10, vamos de Top10 – Memes Internos.

10. “A culpa é da Katienne!”, porque “Se a culpa é minha, eu a coloco em quem eu quiser”*

Esta pérola de sabedoria evitou muitas crises - de ego ferido.

*Homer Simpson

9. “Ai, me deixa!”; “Ai, supera!”; “Morre que passa” e “Cada um com seus problemas”.

Em junho, parecia que eu havia adotado uma adolescente, pois eu ouvia essas frases o tempo todo. Quanto aos “Ai, mimimi”, não pude fazer nada, senão deixar e superar. O “Morre que passa” foi abandonado após ameaça de denúncia por indução ao suicídio e “Cada um com seus problemas” foi substituído oficialmente por “O destino de um é partilhado por todos”, porque eu sou time Mestre dos Magos!

8. “Tá pensando que pipoca é fruta?”

Perfeito para ser usado quando alguém me pede algo absurdo. Ou seja, sempre.

7.  “Fulano é rainha,  Beltrano, princesinha”. “Fulano na veia, Beltrano na cadeia”

Tati Neves (quem?) já foi esquecida, mas graças a ela e Bieba, Xuxa fez, mais uma vez, história no Facebook/Twitter.

E eu que imaginei que nada superaria “VOCÊS NÃO MERECEM FALAR COMIGO NEM COM MEU ANJO”.

6. “Você não me serve”.

Serviu por muito tempo. Depois, acabou substituído por “isso não é Publicidade!!” #clientesqueamamosSQN

5. “Nooooooo!” Vader, Darth

Pressione em situações difíceis.

4. “Aixiiii…”

Contribuição valorosa da Katienne. Diz-se com tom de desprezo, virando os olhos, para qualquer bobagem que se ouve ou vê. Uso muito!

3. Sideshow Bob

Mês passado, tive a infeliz experiência de pisar num rastelo abandonado no galinheiro. Que dor!!! Depois de duas semanas, meu nariz começou a desinchar.

Para ilustrar o que havia me acontecido, usei este gif:

Sideshow_bobVirou hit!! Virou camiseta.

shirt_girls_01Camiseta da Threadless.

2. Chloe.

Uma porcaria de mãe criou essa obsessão entre as novinhas da agência. Queria até dividir com ela o fardo de pagar salários, já que minha criação passava horas fazendo montagens da Chloe

3491348_originalMontagem com a Chloe que catei na Internet.

1. “Esse povo pensa que o céu é perto.”

Esta frase foi nos brindada pela Adri Abreu, num comentário, aqui no blog, em abril de 2011. Como, para mim, é uma frase supimpa e polivalente, que já até foi homenageada, aqui, a trouxe de volta em 2013. Foi usada à exaustão. É, merecidamente, o Top – Meme Interno de 2013!

Há de enlouquecer-se

Imagina o desespero: a última vez que você viu seu gato, foi às 7:30 da manhã. Ele saiu pela sua janela e nunca mais voltou. Tudo bem. Nunca mais é muito tempo. Mas eram 20h e estava armando uma tempestade de filme “Poltergeist”. Pipocavam um sem número de trovões. Sem tempo de manifestarem-se individualmente, eles rugiam todos juntos. Era tal qual estar dentro de um avião, só que com muito vento e chuva.

Meu bisa costumava falar que “muito peido é sinal de pouca bosta” e tentei acreditar, já que era muito “peido” de verdade. Mas quando veio a “bosta”!… Foi muita!

E nada de Will.

Ele devia estar na laje, sob o telhado da casa. Só pode. Não tem como ele sair da casa. Os stray cats que entram aqui, passam por arame de contenção para muro - aquela porcaria enrolada, cheio de navalhinha – e cercas elétricas dos amados vizinhos. Meu gato é de casa, mimado, não passa por isso, porque não precisa. Mas nada me impediu de surtar. Quero dizer, quase nada.

Numa última tentativa, abri a porta da frente e fui procurá-lo no jardim. Vai que. Nisso, entra um gato. Não qualquer gato, mas um gato que andava visitando meu quarto, desde o Natal. Quando fechei a porta, lá estava ele, na sala.

IMG_0510Manhã de Natal e Santa cheirando as toalhas que iam ser lavadas. Em primeiro plano, Pudim!

Pus comida, água e caixa de areia para o sacudo e tentei firmar amizade. Ele comeu, usou a caixa, mas não quis saber de mim. Tá lá, na sala, agora mesmo, dormindo dentro do sofá, depois de ter passado a noite destruindo as persianas…

persianas

E foi quando eu ia indo levar a caixa de areia pro Santa – como ele chegou pela primeira vez no natal, com um saco gigante, o apelidei de Santa Claws, ou Papai Garras! – que vi Will, do lado de fora da janela, totalmente molhado. Abri e ele entrou, como se estivesse tudo supernormal. Fanfarrão!

A chuva passou, transpôs o asfalto da rua para meu passeio, arrancou galhos das árvores, não matou minhas galinhas e trouxe mais um amiguinho. Sim, este vaga-lume!

IMG_0547 Me falta uma macro boa e talento, eu sei, mas eu não sou fotógrafa e não preciso!!

E enquanto tudo isso acontecia, a Panqueca estava fechada no quarto de roupas. Ninguém se lembrou dela e ela passou a noite lá…

panqueca