Agradeço imenso

É impressionante a quantidade de pessoas que se sentem à vontade para se envolver no fim de relacionamento de duas pessoas. Talvez seja porque relacionamentos não pertencem somente a duas pessoas. Casamentos – e términos – são eventos sociais. Testemunham o começo e querem participar do fim. E, assim, fazem suas apostas de quem se dará melhor e escolhem lado e tomam as dores.

No meu caso, especificamente, eu sou a “vítima”. Foi ele quem terminou e é ele quem já tem namorada “sem nem mesmo respeitar o período de ‘luto'”. Então, sou eu quem tem recebido as mensagens de apoio, de “força” e de ofensas a ele.

Ele me perguntou se eu o tenho defendido. Não. Não é mais meu papel.

Não vou dizer que estou adorando as atenções, porque não estou, mas também não estou odiando. É invasivo, muitas vezes, é injusto, noutras, mas é interessante, antropologicamente falando.

O justo seria eu dizer que o amor já havia se acabado e havia somente uma tolerância branda entre nós. Assim como uma preguiça imensa e uma sensação de desespero da minha parte, pois havia uma empresa e inúmeros bichos nos prendendo um ao outro. Ainda há, mas não há mais prisão.

Se eu tivesse tido coragem, vontade, vergonha na cara, eu teria partido em 2007, quando a coisa se mostrou inviável. Em vez disso, empurrei com a barriga e chorei no cantinho, atos de extrema covardia e pobreza de espírito. Portanto, se sou “vítima”, sou por escolha própria. O que ele fez – mesmo que da pior forma -, foi me libertar. Agradeço imenso.

Quanto à namorada dele, parece que todo mundo a minha volta tem uma opinião e uma opinião somente. Eu não me sinto com vontade de julgá-la, cada um sabe de si.

Quanto a mim, estou tratando da minha própria vida e ter tanta opinião e julgamento mais atrapalham do que consolam. Estão me forçando a cumprir um papel que não me cabe, mas o tenho desempenhado, mesmo assim. Por isso, parafraseando Dani Calabresa, recomendo: “todas as pessoas perfeitas e santos canonizados: podem guardar as pedras”. Agradeço imenso.

Solteira aos 40

Eu estava meio em pânico em começar do zero aos 40. Somatizei tanto stress que achei que não chegaria ao 41. Mas vou chegar.

Apenas ontem me dei conta que não começo do zero. Começo dos 40. Com 5 gatos e, talvez, alguns surpresa. E, também ontem, entendi que 40 são os novos 20. Viva!

Recapitulando: este foi um péssimo ano para meu casamento. Não que os anos anteriores tenham sido bons, porque não foram, mas foram suportáveis. 2014 chegou dando chute do fígado. E, assim, acabou-se o que já não era doce… Desde sempre.

Não estou sendo mal agradecida, recalcada ou coisa do tipo, mesmo que pareça. Nunca foi bom. Itaúna nunca foi boa para mim. O isolamento nunca me fez bem, me deixou mais ácida e amarga do que o meu normal – meu normal é agridoce. Faltou respeito e amor desde o momento em que as caixas se acumularam na casa nova. Mas parecia tarde demais para voltar atrás. A vida teria sido boa se tivesse sido mais generosa conosco, mas não foi. 8 anos de provação foram demais para qualquer dois. Enfim, acabou.

Ainda não tenho para onde ir com 5 gatos, apesar da mobilização para me arranjarem um lar. Tenho amigas no Rio me chamando para ir pra lá, mas ainda quero dar uma chance à Belo Horizonte, cidade com a qual eu fui muito injusta, há 8 anos. Ela está mais caótica do que antes, mas ainda tem seu charme.

Tenho novas velhas amigas, meninas que conheço desde criança e que voltei a amar. Amor requer presença, aprendi. Também aprendi que tesão só requer um muso e eu tenho um muso. Ainda sou bonita, mais do que meu espelho costumava me mostrar, e beleza dá segurança. Portanto, estou segura, tenho amigos, tenho tesão. Estou ótima!! Falta pouco para eu estar 100%.

Às vezes, a gente fica adiando o inevitável, porque mudanças são assustadoras. São mesmo. Talvez o cérebro não goste delas, porque ele entra num processo de boicote terrível, mas acredite, isso é normal, passa e, principalmente, algumas mudanças são necessárias.

2015 vai ser um ano difícil, segundo todo mundo, mas estou apostando minhas fichas nele. Acho que o balanço será positivo. Torçam por mim!

Quero voltar pra casa

Em setembro, faz 8 anos que saí de Belo Horizonte.

Na época, a cidade estava caótica. O trânsito não fluía, os ônibus viviam lotados em qualquer hora do dia, a violência e a sujeira aumentavam. Se não bastasse, eu detestava meu emprego e meu namorado - atual marido – estava com Síndrome do Pânico, o que piorava tudo. Quando ele decidiu que vir para Itaúna seria o melhor para ele e quis que eu viesse junto, topei sem nem pensar.

Eu deveria ter pensado. Ter mais de 30 e ainda viver na casa dos pais – no meu caso, da avó – não é legal. É cômodo, é barato, é prático, é gostoso, mas não é “adulto”. E a tentativa de me tornar adulta, na verdade, foi o que mais me encantou. E me ferrou.

Não porque eu não goste de Itaúna – e realmente não gosto, por N motivos. Não gostar da cidade em que se mora não ferra ninguém. Mas os N motivos ferram e, faz tempo, eu me arrependo amargamente de ter vindo parar aqui. E piora: eu, simplesmente, não consigo sair daqui, nem a passeio.

Ter 8 gatos e não ter plena segurança para eles, me prende à casa. Não tenho mais alguém de confiança para olhá-los se eu tiver que me ausentar. Então, não me ausento. E não dá para carregá-los debaixo do braço nas inúmeras horas que me bate a vontade de bater em retirada. Não tenho para onde levar nem sequer os 4 que são exclusivamente meus. Não tenho grana nem pro caminhão de mudança.

É fato, a cidade me empobreceu. Em termos de dinheiro, nunca vi tanta desvalorização do meu trabalho e tanto calote, tanta má vontade em pagar. As pessoas ficam furiosas por receber notas fiscais – o que, diga-se de passagem, a Lei exige quando se presta um serviço – como se elas representassem um dedo na cara acusando uma dívida. Teve um cara de pau que nos respondeu com: “quer receber? Arrume um advogado. Só se lembre que EU sou advogado e, pra mim, sai de graça”. E essa criatura tem a pachorra de me cumprimentar e querer dar 3 beijinhos toda vez que a gente se encontra nessa cidade minúscula. A cara não queima. As caras não queimam.

Hoje, eu tenho MUITO menos dinheiro do que eu tinha há 8 anos, trabalhando numa loja e odiando cada segundo. Hoje, eu odeio mais meu trabalho do que quando trabalhava sábados e feriados atendendo pessoas que queriam meu projeto, mas não queriam os “nossos” móveis. E olha que a agência emenda feriados e até permite cerveja nas sextas, durante o almoço da “firma”. E não está melhor. Os sapos da loja – e olha que uma cliente chegou bêbada, certa vez, e me unhou, porque eu não teria lhe dado atenção – eram pequetitinhos perto dos cururus diários. A internet me contou que isso é mal da profissão, mas, aqui, estou engessada nela. Não posso reagir, não posso sair da “firma”, porque a “firma” é minha…

O custo de vida é alto. Supermercado e varejão são “pela hora da morte”. Ração e areia de gato, tenho que importar de outras cidades. Frete bem mais caro e sem Sedex 10, por ser interior. Qualidade de vida, que todo mundo falava, não tem. A cidade é feia e suja, a água é suja, a barulheira é generalizada, não tem prefeito de verdade há anos, não tem polícia, mas tem bandido à beça. Não tem pra onde ir ou o que fazer. As pessoas se suicidam aqui com muita frequência. E tem gente tão fútil e à toa que, diante disso tudo,  fica reparando as unhas dos outros – e eu não faço unhas, mais!

Queria estar em BH. Queria ter passado meus dois últimos aniversários no colo da minha avó, em vez de sozinha. Queria ter ido no Pai de Santo que planejo desde março. Queria ter me despedido da minha babá, que morreu sem saber o quanto eu a amava. Queria ter abraçado o meu pai quando meu irmão-cão teve que ser sacrificado. Queria conviver com meu meio-irmão. Queria ir às festas de família. Queria ter ido ao Espaço Veg e almoçado no Las Vegans antes de fecharem – o Las Vegans jura que reabre. Queria estar no teatro, agora mesmo.

Quero ter quem me ama e me tolera por perto. Quero minhas amigas! Eu nem tenho mais amigas…

Radicais livres

Existem pessoas chatas aos montes. Se calhou de alguma delas ser vegana ou carnista, ateia ou evangélica, petista ou tucana, atleticana ou cruzeirense, calhou de se ter um radical chato de espécie específica. Daí falar que veganos/carnistas/ateus/evangélicos/petistas/tucanos/atleticanos/cruzeirenses são todos chatos; xiitas; pessoas que têm que impor a você verdade delas, senão não sossegam; segregadores ou qualquer outra porcaria deste tipo, bem, é uma boa pernada de distância. Generalizações não costumam ser coisa boa.

Tenho conhecidos – amigos de FB – radicais. Excluí, recentemente, uma pessoa tão absurda, que me deu preguiça. Excluo, também, quem ameaça excluir quem discorda. Já tomo a iniciativa. É claro que eu adoro pensar que estou certa, mas não me importo em ver opiniões contrárias às minhas, desde que se apresentem com carinho, sem chutar minha porta e enfiar o dedo na minha cara. Eu não me imponho e não aceito quem se impõe a mim. E, assim, convivo bem com carnistas, petistas, evangélicos e cruzeirenses, assim como com seus opostos, desde que todos bem educadinhos.

Opiniões cansam, às vezes, mas também contribuem com nosso crescimento pessoal, com nossas certezas, com o surgimento de dúvidas. Mas há opiniões que de tão imbecis e hipócritas e infundadas e irreais e desrespeitosas me dão nojo. Walcyr Carrasco teve a manha de fazer tudo isso ao mesmo tempo e mais. Para defender o seu carnismo, o cara usou Hitler como argumento. Pronto. Apelou, perdeu. Como se precisasse chegar a este ponto para perder. Sinceramente…

Vegetarianos estão certos, por N motivos, na forma de pensar e agir. E é por isso que incomodam tanto, a ponto de ter tanta gente pregando contra, criando “argumentos”, brigando, sofismando, se sentindo julgado. E é por isso que tanta gente tenta se tornar vegetariano. Eu, entre elas.

A ética com todas as espécies, o fim do especismo, o fim dos criatórios cruéis, o fim do uso de um ser vivente e senciente como produto de consumo ou de teste, tudo isso é correto. Não há argumentos que consigam colocar nada disso em cheque. Tente! O máximo que você vai conseguir é citar os leões, a cadeia alimentar, a evolução da espécie, o sentimento do alface ou chegar a um “Hitler era vegetariano!”. E vai errar em cada um dos argumentos.

vegan-sidekickComer carne não é uma necessidade há séculos, mas é um costume há milênios. O consumo de produtos de origem animal, hoje em dia, é uma compactuação com a dor, o sofrimento, a crueldade, a exploração, a escravização de seres vivos, além da degradação ambiental, através do desmatamento e do efeito estufa. É desumano. Sim, é gostoso e a feijoada vegana jamais estará aos pés de um pezinho de porco. Ok, mas eu não vivo de acordo com o que é gostoso, não sou hedonista nem sei se cabe sê-lo neste planeta. Optei por abrir mão de um prazer – que é só o que comer carne é – por aquilo que é ético e permanente. O prazer passa. Comida, daqui há umas poucas horas, vira merda – quando não colesterol, diabetes, câncer. Seu lindo sapato de couro, que dura mais do que o sintético, daqui a pouco cai de moda e vira lixo. Você, daqui a pouco morre e vira necrochorume. Mas o planeta permanece e seu rastro por ele permanece por um bocado de tempo.

Eu quero deixar um rastro pequeno, mesmo com um atraso de 40 anos. Eu nem tenho descendentes com os quais me preocupar e, mesmo assim, quero deixar um planeta vivo e saudável. Isso é o que minha consciência me pede. Já as dos outros, bom, os outros é que deverão lidar com elas, então… Só acredito que se sua consciência estiver carregada, como a do Carrasco, repense seus conceitos em vez de apelar.

Nota: Hitler, antes de qualquer coisa, era ser humano. Ou seja, se for comparar, f*deu pra geral!

Solteironas

Hoje mais uma amiguinha postou mais um textinho sobre mulheres solteiras e os porquês. Me abstive de dar palpite sobre o assunto, porque ela me acha agressiva (ui!), mas foi maior do que eu. Vim fazê-lo aqui. Mas, veja bem, é só um palpite, um pitaco, uma opinião pautada única e exclusivamente em minhas experiências de vida e minhas observações cotidianas. Não é um tratado, não é um estudo, não é um fato. Certo?

Então… Não li o texto até o fim, achei chato. O cara começou a analisar estatísticas e blá blá blá. Até agora, entre o texto mimizento de a culpa é da sociedade/minha mãe/dos homens e o debochado “vocês é que são chatas”, só li este último até o fim. Porque não era chato – o assunto, em si, o é.

Minha opinião: se você está solteira e isso lhe incomoda, esqueça tratados sociais e sociológicos, esqueça os psicologismos que, se ajudassem, não teria tanta gente com a cabeça f*dida por aí e parta do pressuposto que a culpa é sua. Avalie-se. Você está fazendo alguma coisa errada? Tipo, você tem saído somente com seu amigo gay, lindo e interessante, mas com o qual você não tem a menor chance e que, por ser lindo e não obviamente gay, afasta os homens que poderiam se interessar por você? Não? Tem certeza? Tem amiguinha minha, solteira, que divulgou o texto culpando os homens, que tem feito isso. Eu vejo as fotos!!

Aliás, você tem saído? Tem encontrado amigos de ambos os sexos, ido a shows, à biblioteca, a bares ou a quaisquer lugares em que possa encontrar pessoas com interesses similares aos seus? Você começa uma conversa com um homem que você acabou de conhecer falando de sua seca sexual ou sobre o fato de que você “resolveu esperar”? Você fala em ter filhos e família logo de cara? Não?! Nada errado com você, então. Ok. Agora, comece a procurar a culpa nos outros. Ou… Dane-se a culpa e siga em frente, vivendo sua vida. Um dia, acontece. Ou não. Faz parte.

Se não acontecer, em vez de ficar fungando solidão, monte uma república e vá viver com pessoas que se assemelham a você – depois de uma certa idade, não rola de ficar aturando diferenças, né? – Ou adote um cachorro, que vai lhe obrigar a dar voltinhas nas ruas e dar um up no traseiro, além de lhe amar incondicionalmente. Não quer sair? Gatos são ótimas companhias, além de quentinhos e engraçados. Caramba, quem tem bicho nunca está sozinho! Sim, sim, você passa o dia inteiro na rua e não tem tempo para cuidar de um bichinho… Entendo… Vá viajar, vá fazer serviço comunitário, vá ao cinema ou curta-se a ponto de não mais sentir solidão, porque você é excelente companhia. Faça qualquer coisa, menos compartilhar texto mimimi sobre ser solteira. #NobodyYesDoor

Valesca Pensadora

Enquanto eu estive ausente, houve uma onda de #mimimi porque um professor falou que Valesca Popozuda é uma pensadora contemporânea. E não é?

Pelas redes sociais, fico vendo o que as pessoas postam, no que elas acreditam - e, no próximo post, desacreditam – e defendem e concluo: Valesca Popozuda pensa mais e melhor do que muito conhecido meu. Ainda mais num mundo em que mulheres acham que a culpa delas estarem encalhadas é da educação que receberam/sociedade/homens, em que uma pessoa me diz: “tá ruim, mas não troco o certo pelo duvidoso” – pausa para um “oi?!”. Prefere o ruim certo ao duvidoso que não se sabe e, vá lá, pode ser até bom? – ou que as pessoas ameaçam bloquear quem discorde delas, porque, apesar delas vomitarem opinião o tempo todo, elas acreditam que “quanto mais a gente amadurece, mais a opinião dos outros se torna irrelevante”. É, tem disso.

Tem coisa que eu sou capaz e abstrair. Tem coisa que não. E, no fim, “beijinho no ombro pro recalque passar longe” é, de longe, muito mais sabedoria do que a maioria das frases feitas postadas em meme e entre aspas que se vê por aí. E mais: a música/o pensamento da Valesca representa a grande maioria das pessoas que estão online. Pessoas egocêntricas, vaidosas, sexualizadas ao extremo, “invejadas” e criadoras de novos significados – e grafias – para as palavras. Mas, pelo menos, Valesca é bem simpática.

Não culpe Valesca, não culpe o professor. Cada geração produz o pensador que a representa. Esta, produziu Valesca Popozuda. Aceite.

O que há de errado, meu povo?!

Não assisti a nenhum jogo da Copa. Por que? Porque não.

Não vou dizer que detesto futebol – e detesto -, porque Copa é outra história. Copa é meio que guerra e um tipo de guerra em que o Brasil é bom adversário. A de 1994 foi tão emocionante, tão linda, tão tudo, que tenho a final, em VHS, até hoje. Mas eram outros tempos.

Em 1994, o Brasil estava bem. A hiper-inflação havia acabado de dar adeus, se podia sair às ruas sem medo e não havia muito do que reclamar – por falta de informação, provavelmente.- Sem contar que a seleção não ganhava uma Copa desde 1970 e, pá! Ganhou.

Hoje, tudo é diferente. Muito diferente. Para começo de conversa, a Copa é na nossa casa. Para fim de conversa, nossa economia está f*dida e mal paga. E no meio dessa conversa, você sabe, tem muita treta. A Copa tem servido para anestesiar ânimos e criar clichês. “Meu protesto é nas uras”, para mim, o pior deles. Via fazer o quê? Por fogo na urna?! Eu apóio!

Li um colunista falando que o Brasil já ganhou a Copa, porque está tudo dando certo. Quem compartilhou o texto, acrescentou: “chupa, seus pessimistas!” (sic). A meu ver, o Brasil só perde e mais, a cada dia. Sou pessimista? Então tá, me conta o que deu certo? Natal debaixo d’água? A grana mal gasta? As famílias desabrigadas? Os feriados para que o trânsito flua? Os colombianos buscando abrigo em Rondonópolis, porque agência de turismo credenciada pela FIFA deu cano neles? Assaltos ou tentativas? O pessoal que se propôs a trabalhar de graça ganhando comida estragada? Ou você se esquecendo que o Brasil está em crise porque o Neymar fez gol?

Não estou em clima de Copa. Não quero que o Brasil vença. Quero, sim, nossas merdas sendo espalhadas pelos ventiladores do mundo, porque vergonha na cara é meio caminho andado.

Você tem vergoínha da geral mandando a “presidanta” TNC? F*da-se você! Ela merece. Você merece. Deveria ter vergonha do que nos coloca numa situação dessas. E nem estou falando da Dilma ou do PT, mas de tradição. Somos tradicionalmente deselegantes, mal educados, hipócritas.

Você acha que vaiar o hino chileno é o cúmulo da nossa falta de educação e que isso é um vexame enquanto nação? Sério? Já foi à Disney? Ou a algum outlet em NY? Brasileiro já tem uma fama internacional consolidada de mal educado. Fura fila, fala alto demais, tenta passar a perna, entre outros atributos que generalizam, mas descrevem bem a maioria. Somos, orgulhosamente, mal educados. Nada de macacos, mas idiotas, independente de classe, credo ou cor.

Gregorio Duvivier, aquele fofo, disse que o brasileiro não é problema, mas solução. Mas para ser solução, o brasileiro – que é o problema, sim, e dos piores, porque nem sabe -tem que se propor a mudar. Mas brasileiro é acomodado, se acha esperto, adora falar mal do país, mas só da boca pra fora e sentado no rabo. O tão falado complexo de vira-lata nem sequer existe. Antes fôssemos vira-latas, raçudos, sobreviventes, honestos. Brasileiro se acha. Falta, agora, se encontrar!

Não se engane com meu discurso. Eu amo o Brasil, assim como amo meu pai alcoólatra, supertalentoso, mas inútil e fracassado. Se eu tivesse tido escolha, nem os teria conhecido, mas não tive. Amo meu pai porque é o que tenho. Meu país, idem. Amar não significa aceitar incondicionalmente. Quero que o Brasil mude, que a nação se conscientize e deixe de adiar o inadiável. Do jeitinho que está, vai ruir.

Eu torço, e muito, pelo Brasil da vida real. Para o da Copa, que de dane.

P.S.: me incluo na lama, mas com um atenuante: eu sei no que estou erradando e tento melhorar, todo dia. :-)

Ressurreição

Atendendo a emocionados pedidos, estou de volta. Sim, foram vários pedidos, vindo de um só pessoa: eu. Sendo ultra antissocial – and beyondde acordo com o Buzzfeed29 em 30 -, o Facebook é muito e pouco para mim.

O Facebook é limitado, porque é cheio de pessoas limitadas, que ofender-se-ão com qualquer coisinha, mesmo que de nenhum modo esteja relacionada a elas. Ou que darão palpites intermináveis sobre qualquer coisa, o que é por demais cansativo e, pior, me faz perceber que estou cercada por idiotas. Não necessariamente meus “amigos”, a quem eu, de certo modo, posso controlar – bloqueando atualizações! -, mas os incontroláveis amigos dos amigos. Esse meu povo tem aceitado qualquer pessoa para engrossar os números e satisfazer o ego, só pode.

Em conclusão, há inúmeros assuntos sobre os quais eu gostaria de palpitar, mas não tenho com quem/onde. Por isso, voltei.

Nem tudo é ruim na rede social para uma pessoa antissocial – tô falado só de mim.- Conheci pessoas interessantes, oriundas deste blog – algumas, que sequer comentavam aqui, mas que “falam” bastante e são muito bacanas – e da prática ao amor pelos seres viventes. Protetores/veganos/vegetarianos se caçam na rede, se encontram e se unem. Tô dentro!

Falando nisso, meu protovegetarianismo está quase completando 1 ano, sem maiores sacrifícios. E está tão tranquilinho, que decidi dar o próximo passo e deixar os laticínios de lado. Não vou morrer sem pão de queijo – e evito que morram pelo meu pão de queijo.- Ainda como os ovos, sem sofrimento e sem crueldade, das minhas penosas… Ovos são controversos - como os mamilos – e ganharão um post só deles, em breve.

Ah! O layout do blog mudou por acidente. Fui atualizar o WordPress e, inadvertidamente, atualizei o tema, o que me fez perder as mudanças que havíamos feito. Esse que entrou está em estado provisório, esperando eu conseguir uma boa alma que me coloque o Feed de volta e ajeite esta fonte, que é fina demais para mim.

Seja bem-vindo(a) a este blog e sinta-se livre para dar pitacos. Sempre com muita educação, por favor, porque, de mal educada, já basta a Pi.

Origami

Carol Gerber* disse que corações são fortes, não se quebram, só se dobram. O meu é um origami detalhado. Não sei se desamarrota algum dia.

Estou protovegetariana. O que quer dizer que ainda não sou vegetariana, mas vou ser.

Depois de um tempo, não há espaço para voltar, a opção é ir em frente. Eu não sou o Roberto Carlos, sou decente.

Não tolero mais cheiro de carne. Nem gosto de tocar nela. Se antes eu poderia muito bem passar um bife pro marido, agora eu saio da cozinha quando ele o faz. Não é frescura, é dor.

Dói, porque eu sei como esse “bife” viveu antes de virar almoço. Marido diz: “mas no Brasil não é assim. O gado é criado solto. Não há confinamento. E a morte é rápida”. É o nível de abstração dele, não tenho o direito de ir contra. Ainda mais, porque uso essa mesma abstração para continuar consumindo laticínios. Por enquanto…

A maioria das pessoas come carne porque faz questão de ignorar todo o processo. O “produto” chega suculento ao prato delas. Se elas soubessem os bastidores, não comeriam. Mas não sabem e, se sabem, abstraem pela gula. E não estou falando de degolar uma galinha, enquanto o corpo, sem cabeça, sai correndo. Estou falando de qualidade de vida do animal, de doenças, de remédios, de higiene, de armazenamento, de “maquiagem”, de preparo. A morte, para mim, é o menor dos problemas. Morrer faz parte. É todo o resto, é toda a “indústria do alimento” que me aterroriza.

E pior do que a indústria do alimento, hoje em dia, é a indústria da moda. Isso inclui vestimentas, cosméticos e essa poha toda que as pessoas usam para tentarem ser bonitas.

Os testes cosméticos têm sido banidos em lugares decentes. A China, sempre ela, insiste. Não entendo o porquê, além de por sadismo e desrespeito. Teste em animais não me impediram de ter alergia à Avon. Eu não sou um coelho. Ele não me representa.

Não me venha alegar que não há alternativas aos testes. Há. Muitas. Basta procurar – dá um Google aí.

Não me venha dizer que, mesmo que eu compre Natura, que não testa em animais, nada impede que o fornecedor da Natura faça os testes. Isso não é argumento. Baixar a cabeça para a violência, porque combatê-la parece impossível, nunca foi saída. Eu tento.

A saída talvez não seja assinar petições, mas eu as assino mesmo assim. Fazer pouco é melhor do que não fazer nada e criticar quem, pelo menos, faz algo. A saída talvez não seja o boicote às marcas que usam animais de alguma forma, já que é praticamente impossível se livrar delas – até absorventes higiênicos são testados em animais. E pra quê?!

A saída é, sempre, a conscientização. A saída é o amor.

No Facebook, tenho seguido a página do Anti-Fur Society. Acho que eles erram na abordagem. Eu fico chocada, escandalizada, aos prantos com algumas postagens, mas eu não uso peles – ou qualquer tipo de couro, seda ou lã -, eu não sou o alvo. O alvo nem olha e, ainda, reclama da violência das imagens. Às vezes, os membros da Anti-Fur são agressivos e infantis, mas eu tento entender. Impotência e horror destroem camadas de racionalidade. E o que se tem visto por aí é de se duvidar da razão, é de quebrar o mais forte dos corações.

Mas o problema deste mundo são os corações fúteis, frios e duros.

Não vou ilustrar este post com imagens chocantes, não vou falar sobre chineses ou sobre caçadores. Você tem direito ao seu nível de abstração. Mas vou pedir, por favor:

Diga não ao uso de peles, mesmo as “faux”. Tem muito gato, cão e lebre sendo vendidos como sintéticos, porque são mais baratos, já que matar e esfolar não requer tecnologia. Um dos ratinhos dos meus gatos é feito de pele natural – descobri isso um dia desses… Animais sofrem muitíssimo para enfeitar roupas e acessórios. Isso não é certo.

 anti-furVocê pode viver sem minha pele. Mas eu, não.

E, na medida do possível, se liberte das abstrações. Eu sei que viver neste mundo não é fácil, não mesmo. Mas só é tão duro, porque há gente demais usando venda. Quando as pessoas se libertarem do medo, da preguiça, do comodismo e da vaidade besta, o mundo terá uma chance. E eu queria muito de ter a chance de ver isso acontecer…

* Personagem em Corações na Atlântida, do Stephen King. Amei o livro.

Hipocrisia

Todo mundo é alegre e contente enquanto acha que está dando as cartas. Todo mundo está supersatisfeito enquanto não tem que assumir as consequências. Todos os outros são insuportáveis e dispensáveis, enquanto não se está perdendo dinheiro. O trabalho é chato, o salário é pouco, mas se pode-se chegar atrasado ou faltar quando bem entende, tá valendo. Todo chefe é bacana até que impõe limites para o excesso de liberdade. Toda chefe é joia enquanto faz vista grossa para a arrogância e incompetência. Todo dedo na cara é válido, desde que não seja na minha. Todo mundo é honesto até que é pego em flagrante. Toda hipocrisia é inocência, toda a culpa é do outro. Mas toda m*rda fede, não importa de quem seja.

Que espécie de caráter é esse que tem-se construído? Que mundo é este no qual temos vivido? Tem hora que cansa nadar contra a correnteza. E eu lhe digo, eu posso ser má. Eu posso ser péssima. E eu posso até gostar.

Que sorte que eu tenho bichos em casa.