RSS Feed

Tag: ‘pitacos’

  1. Tudo já foi dito

    14 de abril de 2014

    pitacos


  2. Algum nível de abstração

    21 de fevereiro de 2014

    É muita coisa. É o excesso do que dizer que me cala. Não sei por onde começar; não há um começo claro. São 200 mil anos de História e… E?

    De onde viemos está claro. Para onde iremos, também. O que nos move é o que eu gostaria de saber.

    O que me move? Gatos. Gatos são o que me estagna, também. “Na verdade, eu acho que viver é o pior dos hábitos”* e me habituei firmemente a ele. Então, sigo, mas nem tanto.

    A realidade tem sido tão bizarra e assustadoramente irreal, que quero refúgio. Eu preciso viver em algum nível de abstração e este não se encontra mais na terra prometida das redes sociais.

     

    * Pete Riley, in Corações na Atlântida, de Stephen King.

     


  3. Um mundo mais do que enfeitado

    5 de janeiro de 2014

    A vó Edir costumava dizer que o mundo anda muito enfeitado. Ela era batista e, no geral, se referia à homossexualidade, hábitos e vestimentas. Eu acho que o mundo está mais do que enfeitado, só não sei qual palavra usar pra defini-lo…

    Mas eu sei que ando triste que só.

    O objetivo das redes sociais era, a meu ver, juntar pessoas com interesses em comum. Ok. O problema é o tipo de pessoas e de interesses que têm sido juntados. Às vezes, eu me assusto com os comentários, com a agressividades/ignorância/preguiça/estupidez com as quais as pessoas destilam seus preconceitos.

    1488060_595692070518500_1927261708_nHumano: Por que as pessoas estão cada vez mais intolerantes com as outras enquanto a Internet nos conecta mais próximos?

    Deus: Pessoas não estão diferentes do que sempre foram… Estúpidas. A Internet apenas fez com que fosse possível para nós vermos o quão grande é o abismo da estupidez humana. Tente não afundar.

    Às vezes, eu me assusto com o tamanho dos equívocos que fazem com que uma causa nobre se torne antipatizada. Vegetarianos/veganos, por exemplo, são mestres nisso. Mostram fotos horrendas, de maldade suprema, de sofrimento animal, com o objetivo de convencer aos adeptos da picanha e bacon a se tornarem vegetarianos. Não funciona. Não funciona comigo, que já sou vegetariana. Me dá tristeza, muita. E dá “fortes” argumentos aos adeptos da picanha e bacon para hostilizarem os vegetarianos/veganos, porque esses se sentem atacados e querem contra-atacar. E a causa animal se perde em meio a discussões imbecis.

    Ontem, eu estava lendo uma matéria sobre o consumo sustentável. Nos comentários, um vegano se impondo. Ok… Acontece. Para mim, o que interessou – e me assustou – é que não é possível o consumo sustentável. Não o tempo todo.

    Olha o tamanho do mundo! Olha a quantidade de gente que tem nele! Não dá para controlar tudo! Não dá para ficar sabendo de TODOS os pormenores e ter ânimo para continuar vivo. Em toda e qualquer indústria, seja de moda, de comida, de chá, todas elas cometem merda. Gente, bicho, o planeta sofre com essas merdas. O que fazer? Eu juro que não sei.

    A tal história do mosquito que é pequeno e um só, mas incomoda, é só isso: uma história. Se ele incomoda, você pega a raquete elétrica e acaba com ele. Não há exemplo de superação nisso!

    Eu faço minha pequena parte. Ajuda o mundo? Provavelmente, não. Mas me ajuda. É totalmente pessoal e egoísta cada gesto de bondade que eu tenho. Não como mais carne porque não apoio o modus operandi da indústria alimentícia. Estou a caminho de parar com o leite. Não uso uma porção de cosméticos porque sei que são testado em animais - mas devo usar uma porção de outros que não sei e, neste caso, a ignorância é uma bênção, porque eu não tenho grana para comprar produtos veganos nem condições de fazer meus próprios xampus. Não embrulho presentes, para não gerar mais lixo. E eu separo os lixos e reaproveito sacolinhas de supermercado para recolher os cocôs dos gatos. Não sigo moda/tendência há anos! Só compro o que realmente é útil e vou usar. Castrei os gatos e só não castrei o cão, porque ele não é meu e meu marido ainda não evoluiu em alguns aspectos.

    Em resumo, eu faço o que eu posso. O problema está em quem não faz/não pode nada. E não faz nem pode, porque é ignorante e estúpido demais para se mover. Não se preocupa com o outro e com o planeta, porque não pensa e, se pensa, deve ser algo do tipo: “ah, foda-se! Eu vou morrer, um dia, e deixa de ser problema meu. Vamo apoveitá enquanto tamo aqui!”.

    E engana-se quem acha que isso é problema terceiromundista, de pobre, sem acesso a educação. É claro que pobreza e ignorância andam juntas e perpetuam a tragédia, mas, né?, como os digníssimos governos conseguiriam se manter no poder se não fosse a ignorância?! O problema é global, sem fronteiras de credo, raça, condição social. O problema é uma Myle Cyrus - desnececyrus – da vida usando casacão de pele de verdade. Uma riquinha cercada por informação, se lixando para o mundo e o que vão pensar dela. “Sou rebelde”. Sei. Não passa de uma mocinha que conseguiu “se achar” tanto, que achou quem achasse junto!

    É mais gente que acha junto do que gente que pensa por si ou que se alinha a uma causa nobre: sobrevivência. É mais gente obcecada por fama e glamour e menos gente que faz. É medonho.

    Às vezes, penso que o melhor seria cruzar os braços e esperar pelo fim. Talvez, o homem da tabuleta esteja certo e o fim esteja próximo…

    the-end-is-nearSometimes, I hope so…


  4. Implicância

    27 de dezembro de 2013

    Gatos são animais lindos, não importa raça. Para o convívio, eu, particularmente, prefiro os de pelos curtos, mais fácil de lidar, e vira-latas, menos propensos a doenças genéticas. Cor? Gosto de pretos, básicos, clássicos. Prefiro as fêmeas, que são menos peraltas, e pegar ainda filhote, porque filhote de gato é vida!

    Mas, apesar da minha preferência, temos duas de pelo longo, dois machos e nenhum pretinho. Só a Pixie – e o Santa, se for ficar – chegou adulta. Isso aconteceu porque eu não escolho gato. Eu fico com os que me aparecem, os que me escolhem. Prefiro assim. Se vou bancar a dona, que seja a dona que eles escolheram ter. E a vida vai bem, obrigada.

    As pessoas mais rasinhas escolhem gato pela aparência. Gatos têm, para elas, que ser lindos. Gato ostentação! Ok. Há outras que gostam de característica próprias de algumas raças, seja física ou comportamental. Ok, também. Desde que tratem direitinho, protegendo, amando, cuidando, castrando e não inventando de abandonar, a motivação da pessoa é o que menos me importa.

    Pessoas têm suas preferências, fazer o quê? Sei que em São Paulo, pelo menos, na ONG Adote Um Gatinho, os pretinhos são preteridos. No Rio, na 4Patinhas, são os frajolas – gatos preto e branco – que ficam para trás. São muito comuns… Em Itaúna, se não tiver raça – ou, pelo menos, “cara de raça” – , difícil encontrar quem queira… Mas, em qualquer lugar, coloque um persa ou sialata - siamês vira-lata – ou uma gata toda amarela – raríssima – ou um gato todo branco com olhos azuis para adoção para ver se não dá briga entre pretendentes. Dá.

    Por isso tudo que acho esta campanha, que tem rolado há um tempo, imbecil:

    1510941_1443470052531477_1995130674_n

    Na minha opinião, ela não faz nada além de confirmar o preconceito, afinal, pessoas são escolhidas ou preteridas pela cor de cabelo e/ou pele o tempo todo.

    Sinta-se totalmente confortável em discordar de mim, principalmente – mas não exclusivamente – se seu coração se encheu de amor e você decidiu, agora mesmo, que quer um gato escaminha para todo o sempre. E, Sávio, se por causa deste post você decidir namorar uma ruiva, lhe perdoarei por tudo o que você me disse na 8ª série!

    E para quem não sabe, gato escaminha são esses de pelagem mesclada, geralmente preta e marrom. Minha avó chamaria de “pano queimado”. A Pixie, minha gata feiosa, é mescla de tigrado com escaminha, ou seja, ela mistura estampas. Há quem ache a Pixie linda, há quem ache escaminhas lindos. Mas, para a maioria, é um gato comum e/ou esquisito. Não é, definitivamente, uma padronagem popular.

    Eu continuo achando que tanto faz a pelagem. Mas, se as escaminhas são as mais rejeitadas da vida, que tal promover a excentricidade, a diferença, a exclusividade – já que os padrões dificilmente se repetirão -, o quanto você é mais bonito ao lado de uma gato feio, o quanto você é mais legal por tê-lo escolhido, sei lá, qualquer psicologismo mais eficiente do que comparar o pobre do gato a uma ruiva.


  5. Encerrando 2013 – Parte II

    23 de dezembro de 2013

    TOP-Pi 10 | O PIOR DE 2013:

    1. Morte. Morreu gente que eu amava; morreu gente que eu admirava e morreram muitos gatinhos que eu acompanhava… Mas vaso ruim continua inquebrável.

    2. Futebol – incluem-se: Copa, torcidas, times, jogadores, tapetão.

    3. Patifaria generalizada. Em uma palavra: Brasil.

    4. A mesma pindaíba de sempre.

    5. Trabalhar com publicidade:

    6. Enxaquecas. Por quê? :-(

    7. Vizinhos. O de sempre e cada vez mais: barulho, sujeira, desrespeito e até veneno no meu abacateiro!

    8. Serviços básicos: Internet rápida mais lenta e cara do mundo, serviço autônomo de água e esgoto que manda água suja e com pressão variável – quando manda – e luz que desliga quando menos pode e, quando volta, destrói tudo. As mazelas da vida no interior…

    9. Self e outras manias chatas.

    10. Visitas indesejadas: pernilongos, cobras, aranhas, hordas de pombos piolhentos e de micos pulguentos. Tenho horror a micos. Tenho horror a pulgas. Como seres tão pequenos conseguem ser tão incômodos e indestrutíveis?


  6. Encerrando 2013

    22 de dezembro de 2013

    Todo ano, nesta época, eu faço os Top-Pi. Este ano, só por tradição autoimposta, teremos, também… Bora lá.

    TOP-Pi 10 | O MELHOR DE 2013:

    1. Nikita Cristina: chegou há duas semanas roubando corações. Ela é feiosa, fedorenta, carente, late agudo – e muito -, mas fez a vida do Toro tão mais feliz! Só por isso, já é a melhor do ano!

    2. Amizades: antigas e novas, virtuais e reais – vocês são cada vez em maior número! Estou me sentindo sociável! E sinto que existe uma boa parte da humanidade que ainda vale a pena.

    3. FIQ! Se ano passado foram: “tirinhas hilárias – preciso delas para viver. E cada vez mais!”, este ano foram os autores das tirinhas e seus livrinhos. São pessoas lindas com trabalhos lindos! Amei conhecê-los e descobrir que são “real deal”.

    4. Vegetarianismo. Mesmo manco, me fez muito bem. E melhor.

    5. Trabalho voluntário. Não sei desde quando admiro a 4Patinhas. Nem sei como a conheci, mas é a ONG que eu mais procuro ajudar, porque eu acredito piamente. Sim, eu sei, pessoas tendem a falhar. Mas como disse meu amigo Estevão Ribeiro, “errar é complicado, mas quem pode nos culpar por algo tão genuinamente humano, né?” Né?! Eles fazem o melhor que podem e ajudam muito a muitos! Este ano, comecei a fazer trabalho pro bono para eles e me sinto muito feliz com isso! Queria poder fazer mais.

    6. Stephen King continua sendo o dono do meu coração. Amei ler velharias e amei ler livros novos. Mostra que ele ainda tem muita estrada para rodar! Tentei Anne Rice, tentei Agatha Christie, estou tentando Isaac Asimov, mas o Stephen é King.

    7. Ideias! Elas não param de chegar! Se eu tiver tempo/boa vontade, pô-las-ei em prática, em 2014!

    8. Mobilização popular. Pode ter sido fogo de palha, mas me acalentou o coração. Por alguns instantes, eu acreditei…

    9. Facebook. Eu, de verdade, detesto o Facebook. É um troço muito do chato, bagunçado e cheio de regrinhas e pessoas tolas, mas… Todo mundo tá lá e, no meio de muita bobagem, tem gente boa. Encontrei God, uma pessoa que, se não for boa, mente muito bem. Encontrei Awkward Moments Childeren’s Bible, que me diverte muito. Entrei em grupos de loucos por gatos, porque é bom ter companhia nas neuroses.

    10. Livramo-nos do mal. Amém!

     nikitaNikita, Chispita, Pequetita, Chiquita, Chiquitita. Princesinha da casa!


  7. Povo Estranho II

    21 de dezembro de 2013

    Em BH, na Rua Fernandes Tourinho, 455, para ser mais exata, há um restaurante chinês – Dragon Center -, de chineses, que serve a melhor comida chinesa que já comi na vida. O preço é bom, a variedade é enorme e o ambiente é ok.

    Eu costumava passar uma tarde ou outra, lá, comendo muito! Muito! E acaba aí minha simpatia pela China.

    Não, eu não conheço a China. George Michael, na época do Wham!, foi e não gostou. George Michael não é meu formador de opinião, mas, nisto, confio nele.

    É que a China… Tem chineses… E chineses… Eu sei que é puro preconceito. Generalização grosseira, mesmo, mas…

    Como confiar num povo que falsifica ovo?! Como compreender pessoas que dão, acidentalmente (?), descarga em bebêsArrancam olhos de sobrinhos? Escravizam? Falsificam reflorestamento? Se matam a torto e a direito?

    Eu sei que são mais de 1,3 bilhão de pessoas e, apesar de bizarros, são casos isolados e não, necessariamente, representam todo um povo, mas… A China lidera o ranking de mortes por exaustão no mundo. O número de vítimas de ataques cardíacos e AVC provocados pelo estresse de trabalho é de 600 mil por ano! E eles comem cachorro!!!

    Não estou dizendo que o Brasil – e o brasileiro – não tenha suas estranhezas. Estou somente sentando no rabo e falando do rabo alheio.

    P.S.: havia me esquecido desta falsificação sensacional: leão!!


  8. Dúvida do momento

    15 de dezembro de 2013

    Me ajude, por favor. Eu quero saber:

    1. As pessoas estão mais imbecis?

    2. As pessoas sempre foram imbecis e as redes sociais são apenas o meio de expressão da imbecilidade?

    3. As redes sociais fizeram a imbecilidade latente se manifestar?

    Eu meio que era contra rotular as outras pessoas de imbecis, porque é feio e dá um arzinho arrogante em quem aponta – o que é mais feio ainda. Mas tem sido difícil fazer bonito…

    rickA ignorância pode ser uma alegria para o ignorante, mas para o resto de nós, é uma merda!


  9. O Livro do Esquecimento

    14 de dezembro de 2013

    Acho que foi nO Livro do Riso e do Esquecimento que Milan Kundera comentou sobre a prepotência de se escrever um livro. Afinal, o que você poderia ter de tão interessante e novo a contar que faria com que outras pessoas quisessem lê-lo? O quê? Apesar de minha resposta ter sido: “nada, né?”, cá estou eu, escrevendo opiniões em público. Mas me justifico: aqui, não há a pretensão em ser lida.

    De toda forma, deixei de lado a ideia de ser escritora. Não que eu tivesse alguma intenção de o ser quando li Milan Kundera. Naquela época, eu havia desistido até do jornalismo. Eu não queria escrever. E, quando eu comecei a querer, mantive o Milan em mente. Deixei passar a vontade.

    Então, escrevo uns continhos lá, umas crônicas ali, dou uns pitacos aqui e vou gastando minhas histórias, assim. Às vezes, dá vontade de ir além, mas ainda prefiro não.

    E é esse “prefiro não” que tem faltado à muita gente. Prefira não escrever um livro quando o que você tem a oferecer é um misto do Velho Testamento + o pior de Anne Rice + Cavalheiros do Zodíaco. Arcanjo usando o golpe “Ira dos Deuses” numa batalha? Poupe-me, por favor!

    Eu sei que, apesar deu amar ler, não sou o público de qualquer autor. Até leio Dan Brown, mas nunca serei seu público. Acho os livros dele todos iguais. Ele não sabe variar temática nem caracterização dos personagens e, invariavelmente, explica demais, como se o seu leitor fosse tonto. Talvez o seja… Mas ele me entretém e dou valor a isso. Se eu leio um livro de 400 páginas, xingando, mas querendo chegar ao fim, o mérito é do cara. Ruim é chegar na página 15 – de 395 – me perguntando: “falta muito, ainda?”. Pois é…

    Esta semana, abandonei dois livros pelo caminho. Coincidentemente, os dois tinham relação com o Velho Testamento. Os dois eram prepotentes. Não só o conteúdo, em si, mas a forma de escrevê-lo. Perdoo um autor pretensioso, mas não perdoo uma escrita pretensiosa. Não!

    Por isso, volto para a segurança do Stephen King – que é bom até quando é ruim – e me rendo a Isaac Asimov e seus robôs, porque a vida é muito curta para ser gasta com livros ruins.

    Obs.: aceito dicas de leitura, caso alguém passe por aqui!!


  10. S.O.S.

    7 de dezembro de 2013

    Se estivesse ao meu alcance, eu ajudaria todo e qualquer bichinho que precisasse de ajuda. Mas meus braços são curtos para o tanto do mundo que eu gostaria de abraçar. Por isso, optei por cuidar do que cabe no meu comprimento. Temos em casa 7 gatos, sendo 6 resgatados. Alimentamos pelo menos 3 gatos andarilhos, que jantam na área de serviço. Temos um “cachorro idiota” – referência ao Covarde, ok? – que precisa de um outro cachorro para aprender como é que é – estamos providenciando. Temos gastos enormes com isso e nos viramos, porque não é só comida, é comida, antipulgas, vermífugo, vacinas e consultas no veterinário. É caro ter muito bicho em casa.

    Assim, raramente ajudo financeiramente outros responsáveis por bichos. Principalmente, porque me falta grana para isso. Sei que, numa vaquinha, doar pouquinho já ajuda, que de grão em grão se chega lá. Mas a regra é a mesma para quem doa: se eu doar um porquinho para cada, e é sempre muita gente precisando, fica pesado para mim. E não quero/posso/tenho condições de escolher/priorizar quem merece mais.

    De qualquer forma, compartilho, sempre que acho pertinente, os pedidos de ajuda. Aí, sim, eu tenho como definir quem vai ou não levar meu “compartilhar”.

    Meu critério é:

    1. Eu tenho que ver o pedido. Por mais incrível que possa parecer, eu não fico 24 horas por dia no Facebook e, apesar de ter bem poucos amigos em relação à maioria das pessoas, nem sempre o post de um amigo me aparece na timeline. Coisas do Facebook. Ele prioriza as pessoas com quem mais demonstro afinidades e, mesmo assim, às vezes, falha.

    Então, entenda: posts são perenes. Não espere que todo mundo veja. E o Facebook é louco, sem critério e nem sempre mostra seu post aos outros.

    2. Eu tenho que ter condições de ajudar.

    Se não tenho amigos que se interessam por bichos na região de onde vem o pedido de resgate; adotante; transfusão de sangue; mãe de leite; “procura-se” ou lar temporário, não costumo compartilhar. Simplesmente, porque as chances de meus compartilhamentos ficarem ao léu são enormes. E o que tem isso? Quanto mais eu lotar minha timeline com pedidos de ajuda, menos gente disposta a ajudar eu vou ter.

    É sério. As pessoas começam a pensar: “lá vem a louca dos gatos, de novo” e me ignoram. Claro que muita gente nem vê meus posts pelo motivo nº 1, aqui de cima, mas muita gente vê e deixa pra lá. Se o objetivo é sensibilizar, a dose cavalar faz efeito contrário. O negócio é ser homeopático.

    Ok. E daí?! Daí que este post só existe porque tenho visto tanta gente reclamando, esbravejando, praguejando e ameaçando cortar relações contra pessoas que não doam/compartilharam posts, que eu mesma comecei a ficar com antipatia.

    Veja bem, a obrigação e responsabilidade é única e exclusiva de quem se meteu a criar/resgatar um bicho. E, mesmo assim, há inúmeras pessoas folgando e exigindo deslocar a obrigação para outros.

    Tem gente que resgata e corre para uma ONG exigindo que ela tome conta do caso. Tem gente que recolhe um cão paralítico na rua e corre para o Facebook, faz uma página e exige que os outros paguem pelas fraldas e ração. Tem gente que acha que só compartilhar o post não demonstra amor a bichos e exige que você pague por alguma despesa para provar que ama. Eu penso que cada um deveria cuidar do seu cada um e parar de exigir dos outros.

    Penso que, em caso de desemprego, falência, emergência, eu recorreria primeiramente a meus parentes e amigos muito muito chegados antes de recorrer a pessoas no Facebook. Mas não digo que recorrer a pessoas do Facebook ou a ONGs ou a comunidades protetoras seja errado. Errado é transferir para os outros a total responsabilidade que supostamente você tomou para si. Errado é tirar o corpo fora e colocar todo mundo na sua fogueira.

    Então, vamos todos com calma, que solidariedade não é algo que se toma à força. Conquiste a ajuda com mérito e carinho, não com dedo na cara. E faça sua parte sem impor que os outros tomem parte junto com você.

    Sei o quanto é terrível e devastador se sentir incapaz por causa de uma bobagem como dinheiro, mas ou se revoluciona o mundo em que vivemos ou se aceita que a coisa funciona como funciona. Em todo caso, é incrível o quanto tem gente disposta a ajudar, se você pedir com jeito.

    No mais, castre seus bichos; tele sua casa, caso tenha gato, para que ele não tenha acesso à rua; não misture bicho novo, que ainda não foi examinado/vacinado com os bichos da casa; não deixe seu cachorro escapar para a rua; não abrace causas que você não dá conta de lidar e seja feliz.

     

     


s_link('Próximo'); ?>